17:50 18 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente Bolsonaro posa para fotos na saída do Palácio da Alvorada

    Vaza Jato: Bolsonaro cita 'conspiração', fala em venda de mandato e chama Wyllys de 'menina'

    © Foto/ Agência Brasil/Valter Campanato
    Brasil
    URL curta
    17815
    Nos siga no

    Em uma agenda pública em Guaratinguetá, no interior de São Paulo, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) reproduziu uma teoria conspiratória das redes sociais para defender o ministro da Justiça, Sergio Moro, acusando o ex-deputado Jean Wyllys (PSOL) de ter vendido o seu mandato.

    De acordo com Bolsonaro, Wyllys renunciou ao seu mandato em benefício a David Miranda (PSOL-RJ), em troca de uma espécie de mesada. Miranda é marido do jornalista americano Glenn Greenwald, do The Intercept Brasil, que vem divulgando conversas de Moro com a Força-Tarefa da Operação Lava Jato.

    "Não vi nada de anormal até agora", afirmou Bolsonaro ao defender o ex-juiz federal como "patrimônio nacional".

    Dias após o Supremo Tribunal Federal (STF) tornar homofobia crime no Brasil, Bolsonaro ironizou Wyllys, chamando-o de "menina".

    "Esse pessoal daquele casal né, aquele casal lá, um deles esteve detido na Inglaterra há pouco tempo por espionagem, o outro aqui tem suspeita de vender o mandato, e a outra menina, namorada de outro, que tá lá fora do Brasil. É uma trama", afirmou o presidente.

    A tese da venda de mandato circula há meses nas redes sociais, sem qualquer prova. No fim de semana, um perfil anônimo surgiu e rapidamente desapareceu do Twitter, reproduzindo o que seriam "provas" de pagamentos de Miranda e Greenwald em bitcoins para Wyllys. Entretanto, a suposta prova apresentava erros grosseiros e, mesmo assim, alimentou perfis bolsonaristas.

    Miranda reagiu em suas redes sociais, criticando duramente a fala de Bolsonaro.

    Também nesta semana, durante a entrevista com Moro em seu programa, o apresentador Ratinho reproduziu o mesmo boato sobre uma suposta conspiração envolvendo Wyllys. O ex-deputado, que deixou o país após seguidas ameaças, afirmou que processará o apresentador. Ele também criticou Bolsonaro por suas afirmações.

    Mais:

    Bolsonaro comenta possível derrota do decreto das armas: 'eu não sou ditador, sou democrata, pô'
    Agência espanhola recebeu por disparos pró-Bolsonaro no Whatsapp, revela jornal
    Apoiadores do decreto de armas de Bolsonaro estão chamando Senado de 'vergonha do Brasil'
    Tags:
    corrupção, homofobia, política, conspiração, Jean Wyllys, David Miranda, Glenn Greenwald, Sérgio Moro, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar