00:22 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    O presidente das Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, participa do seminário Reforma da Previdência - uma Reflexão Necessária, no Centro Cultural da FGV, no Rio de Janeiro

    Maia classifica saída de Levy do BNDES como 'covardia sem precedentes'

    © Tânia Rêgo/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    11152
    Nos siga no

    O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta segunda-feira (17) que as recentes saídas no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) foram de uma "covardia sem precedentes".

    Jair Bolsonaro (PSL) disse no sábado que o presidente do BNDES, Joaquim Levy, estava com "cabeça a prêmio" e também criticou Marcos Pinto, que ocupava cargo no banco público.

    Após as críticas públicas do presidente da Repúblico, Levy e Pinto renunciaram.

    "Demitir faz parte da vida, é um direito do governo", disse Maia, segundo o G1. "Se é para demitir, chama e demite. Ninguém é obrigado a ficar com um servidor de confiança se deixou de ser de confiança. Agora, tratar da qualidade dos dois desta forma, eu achei muito ruim."

    O presidente da Câmara também afirmou que foi criada uma "suspeição" sobre o trabalho de Pinto e que o episódio foi uma "covardia sem precedentes".

    Mais:

    'Pode prejudicar os gays': Bolsonaro critica STF por criminalizar a homofobia no Brasil
    Bolsonaro demitirá general que preside os Correios por posicionamento contra privatização
    Greve geral: 'apenas o começo do processo de mobilizações contra Bolsonaro', diz professor (VÍDEO)
    Bolsonaro defende Moro: 'livrou o Brasil de situação semelhante à da Venezuela'
    Tags:
    Jair Bolsonaro, BNDES, Rodrigo More
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar