09:32 16 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Soja é a principal commodity brasileira que interessa aos chineses

    Produtor garante: Sozinho, Brasil não é capaz de sustentar demanda chinesa por soja

    © REUTERS / Jorge Adorno
    Brasil
    URL curta
    8121

    A chamada guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo - China e Estados Unidos - tem impactos diretos no agronegócio. O Brasil soube aproveitar o boom de demanda no ano passado, mas de acordo com agricultor mato-grossense, a conta neste ano não está fechando.

    A soja representou em 2018 43% de todo o volume de mercadorias exportadas do Brasil para a China, fator que contribuiu significativamente para o superávit de US$29,4 bi registrado nos negócios com Pequim no ano passado. O número recorde se deu porque, em meio à guerra de tarifas entre chineses e americanos, a China decidiu diminuir a compra de soja americana e foi em busca de outros mercados.

    Presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (Aprosoja) - o principal estado produtor do grão no país - Antônio Galvan afirmou à Sputnik Brasil que a produção de soja brasileira é a única capaz de rivalizar com os EUA, seja por volume ou qualidade.

    Ele diz, porém, que, ao contrário do percebido no ano passado, em 2019 a guerra comercial entre EUA e China não fez o valor da commoditie subir: ao contrário, preço do produto está "de 10 a 15% mais baixo do valor registrado em 2018 quando surgiu a disputa", nos cálculos do representante.

    "Este ano está bem difícil, um dos piores, porque os insumos em dólar acabaram subindo (fertilizantes e defensivos) e estamos vendendo produtos mais baratos. A agricultura se descapitalizou bastante para investir na próxima safra e está em uma incógnita porque a conta na produção de soja não está fechando", revela.

    Galvan diz ainda que, embora a safra de 2019 seja maior que a do ano passado, é pouco provável que o Brasil consiga sozinho atender à demanda.

    "Sozinhos, não conseguimos abastecer a demanda asiática, em especial da China que é o nosso grande comprador. Talvez a Argentina pudesse ajudar, mas tiveram uma colheita fraca no ano passado [por causa da seca], este ano está um pouco melhor, mas não ideal", justifica.

    Os chineses já sinalizaram a possibilidade de aumentar substancialmente a compra de soja americana em troca do levantamento de tarifas impostas por Trump a produtos chineses.

    Como a Sputnik Brasil mostrou em fevereiro, a possibilidade de preferência de compra da soja americana poderia ter sérias consequências no Brasil. As negociações seguem congeladas.

    Mais:

    Bolsonaro pode usar guerra comercial EUA-China em prol da soja brasileira, diz economista
    China substituirá soja dos EUA pela brasileira
    Pequim suspende compras de soja americana em meio à escalada da guerra comercial, diz mídia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar