13:06 15 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Ministro Sérgio Moro chega ao lado do presidente Jair Bolsonaro a um evento militar em Brasília

    Após dias em silêncio, Bolsonaro sai em defesa de Moro: 'Ninguém forjou provas'

    © REUTERS / Adriano Machado
    Brasil
    URL curta
    27423
    Nos siga no

    Quatro dias após o vazamento de diálogos do seu ministro da Justiça, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) falou sobre as conversas mantidas pelo ex-juiz federal Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, defendendo a atuação "histórica" do ex-magistrado na Operação Lava Jato.

    "O que ele [Moro] fez não tem preço. Ele realmente botou para fora, mostrou as vísceras do poder, a promiscuidade do poder no tocante à corrupção", declarou Bolsonaro, citado pelo jornal Folha de S. Paulo, após um evento no Palácio do Planalto, em Brasília.

    "A Petrobras quase quebrou, fundos de pensão quebraram, o próprio BNDES - eu falei há pouco aqui [no evento] - nessa época R$ 400 bilhões e pouco entregues para companheiros comunistas e amigos do rei aqui dentro", acrescentou.

    O presidente questionou a veracidade do conteúdo que foi publicado pelo The Intercept Brasil no último domingo, no qual, por meio de mensagens trocadas entre Moro e Dallagnol entre 2015 e 2018, poderia haver, segundo o site, a caracterização de uma perseguição sistemática ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

    "[Moro] faz parte da história do Brasil", prosseguiu Bolsonaro. "Se vazar o meu [celular] aqui, tem muita brincadeira que eu faço com colegas ali que vão me chamar de novo de tudo aquilo que me chamavam durante a campanha. Houve uma quebra criminosa, uma invasão criminosa, se é que [...] está sendo vazado é verdadeiro ou não", afirmou.

    As declarações de Bolsonaro foram acompanhadas de uma reiterada retórica em favor do combate à corrupção.

    "Normal é conversa com doleiro, com bandidos, com corruptos, isso é normal? Nós estamos unidos do lado de cá para derrotar isso daí. Ninguém forjou provas nesta questão do Lula", provocou ao ser questionado por repórteres.

    A demora de Bolsonaro em sair em defesa de Moro levantou suspeitas de que o Planalto estaria temerário com os rumos do caso em torno dos vazamentos. Contudo, na noite desta quarta-feira, o presidente e o seu ministro foram ao estádio Mané Garrincha, em Brasília, para acompanhar o jogo entre CSA e Flamengo.

    O ex-capitão do Exército exaltou a recepção – compartilhada em suas redes sociais – que a dupla recebeu em pleno Dia dos Namorados no estádio.

    "Eu dei um beijo hétero no nosso querido Sérgio Moro. Dois beijos héteros [...]. Fomos aplaudidos, coisa que só acontecia lá atrás, quando o [ex-presidente militar Emílio Garrastazu] Médici ia ao Maracanã", completou.

    Mais:

    Conversas entre Moro e Dallagnol podem anular processos da Lava Jato, dizem juízes
    'Verdade não morre': Lula se pronuncia pela 1ª vez após conversas entre Moro e Dallagnol
    Comissão da Câmara aprova convite para ouvir Sérgio Moro após vazamentos
    Tags:
    Operação Lava Jato, BNDES, Petrobras, corrupção, The Intercept, Deltan Dallagnol, Sérgio Moro, Jair Bolsonaro, Luiz Inácio Lula da Silva, Brasília, Curitiba, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar