20:35 18 Julho 2019
Ouvir Rádio
    O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, durante entrevista coletiva, no Palácio Itamaraty, fala sobre a situação política da Venezuela.

    Estamos desafiando o bom senso e a realidade, diz ex-embaixador sobre teoria do globalismo

    © Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    944

    A expressão globalismo é usada pelos movimentos ligados a ideais políticos de direita para definir o que chamam de “configuração atual do marxismo”. O termo foi objeto de um seminário na Fundação Alexandre Gusmão (Funag), órgão vinculado ao Itamaraty cujo objetivo é promover debates sobre temas ligados às Relações Internacionais.

    Além de ser organizado por uma fundação ligada ao Ministério das Relações Exteriores do Brasil, o evento contou com uma palestra de abertura feita pelo chanceler brasileiro Ernesto Araújo.

    Ao abrir o evento, Araújo disse que o Brasil tem um papel fundamental no combate ao "globalismo ".

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o ex-embaixador e ex-secretário geral do Itamaraty, Marcos de Azambuja, "lamentou que a reunião tenha tido essa significação".

    "Creio que nós estamos nesse caso desafiando um pouco o bom senso, a realidade. Portanto creio que isso são distorções momentâneas e passageiras. Confio tanto na serenidade, no bom senso do Brasil e nas nossas transições diplomáticas que eu sei que a médio prazo elas serão restabelecidas e que o Brasil voltará a ter aquela linguagem que é a sua: de serenidade, de prudência, de amizade e de construção de melhores relações com todos", disse.

    Marcos de Azambuja concorda, no entanto, que a globalização deve ser aprimorada, mas que não deve ser demonizada.

    "O Brasil é um país sul-americano, latino-americano, mas também é parte desse grande processo de globalização que nós vivemos hoje e que tende ser sempre aperfeiçoado, mas que não deve ser demonizado", comentou.

    Marcos de Azambuja diz que posições como a manifestada no evento da Fundação Alexandre Gusmão são anomalias que deverão ser corrigidas no médio-prazo.

    "É uma anomalia, um ponto fora da curva e que como todo ponto fora da curva será corrigido no médio prazo. O Brasil tem uma longa tradição de atitudes construtivas, serenas e de reforço da confiança com seus grandes sócios e parceiros, voltará a ser assim, será sempre assim, portanto, o que aconteceu deve ser visto apenas como um ponto fora da curva que logo será corrigido", disse.

    No governo Bolsonaro, os seguidores do guru da direita Olavo de Carvalho reivindicam fazer parte do movimento antiglobalista, cujo expoente internacional é Steve Bannon , ex-estrategista de Donald Trump.

    Mais:

    Bannon detona Mourão e diz que Flávio Bolsonaro é 'vítima do marxismo cultural'
    Gilmar Mendes libera para julgamento pedido de liberdade de Lula
    Tags:
    antiglobalismo, globalismo, Ernesto Araújo, Itamaraty
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar