10:19 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Imagem ilustrativa de uma prisão

    Sem julgamento: 22 dos 55 mortos em prisão de Manaus eram presos provisórios

    CC BY 2.0 / Dave Nakayama / caged
    Brasil
    URL curta
    743
    Nos siga no

    Entre os dias 26 e 27 de maio 55 detentos foram mortos em 4 diferentes presídios de Manaus. Um levantamento mostra que 40% dos mortos não havia sido sequer julgado.

    Dos 22 presos provisórios que morreram em maio nos presídios, conforme levantamento do G1 com número da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap), estava um homem preso apenas 3 dias antes do ocorrido.

    Ainda segundo os dados apurados, 45,2% dos presos são provisórios no estado do Amazonas. A média nacional é de 35,9%.

    A maioria dos mortos durante o massacre nos presídios morreu por asfixia ou por golpe de objeto perfurante. O massacre teria sido uma disputa de poder interna dentro da Família do Norte (FDN), organização criminosa que controla rotas de tráfico na região.

    As unidades prisionais onde aconteceram as mortes eram geridas pela empresa Umanizzare, responsável junto ao governo pela gestão de presídios no estado. Após o massacre, que repete ocorrido 2017, o governador do estado, Wilson Lima, anunciou o fim do contrato com a empresa e fará nova licitação de serviço.

    Mais:

    Vice-presidente dos EUA visita venezuelanos em Manaus e critica Maduro
    Surto de sarampo: Manaus decreta situação de emergência
    Prefeito de Manaus anuncia decreto de calamidade pública após incêndio
    Especialista sobre chacina em Manaus: 'Prendemos muito e prendemos mal'
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar