20:40 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Jair Bolsonaro ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes

    Governo pode liberar R$ 30 bi do FGTS, mas só se aprovar reforma da Previdência

    © AP Photo / Eraldo Peres
    Brasil
    URL curta
    1648
    Nos siga no

    A Caixa Econômica Federal estaria preparando uma operação para a liberação de R$ 30 bilhões de contas inativas do FGTS com o objetivo de reanimar a economia brasileira. A medida, no entanto, só entraria em vigor após uma aprovação da Reforma da Previdência.

    Segundo a jornalista Daniela Lima, em sua coluna no jornal Folha de São Paulo, a expectativa do governo é de que o dinheiro seja disponibilizado até o Natal, uma vez que a reforma seja aprovada em setembro.

    A medida acumula a experiência do governo do ex-presidente Michel Temer que, em 2017, também usou essa estratégia para estimular o consumo. Por isso, a partir da liberação do governo, o dinheiro estaria disponível em semanas, diz a coluna.

    Para que o montante seja liberado, que chega a 0,5% do PIB, o governo teria que usar dinheiro de contas ativas.

    Setores que utilizam fundos do FGTS, tais como os de infraestrutura e imobiliário, não seriam afetados, segundo o governo. Programas como o Minha Casa, Minha Vida, utilizam esses recursos.

    As medidas foram anunciadas em meio ao crescimento da demanda por medidas par aquecer a economia. Nas últimas semanas, dados econômicos negativos foram divulgados, tais como a retração econômica de 0,2% no primeiro trimestre de 2019 e também do crescimento do desemprego, que no trimestre terminado em abril chegou a 12,5%, ou 13,2 milhões de desempregados.

    Mais:

    IBGE: PIB do Brasil sofre queda de 0,2% no 1º trimestre
    IBGE: 13,1 milhões de brasileiros estão desempregados
    IBGE: mulher ganha menos em todas as ocupações
    IBGE: comércio cresceu 2,9% no fim do ano
    Tags:
    economia, FGTS, Minha Casa, Minha Vida, Folha de São Paulo, Paulo Guedes, Daniela Lima, Michel Temer, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar