06:32 18 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Reais e centavos

    O que o governo Bolsonaro deve fazer para evitar a iminente volta da recessão?

    Marcos Santos/USP Imagens
    Brasil
    URL curta
    1043
    Nos siga no

    Os resultados divulgados nesta semana em torno do recuo de 0,2% das riquezas produzidas pelo Brasil neste primeiro trimestre, expostas pelo Produto Interno Bruto (PIB), criam o temor de que a recessão esteja no horizonte. Porém, há uma luz no fim do túnel, segundo uma analista ouvida pela Sputnik Brasil.

    Ainda que com taxas de crescimento tímidos, o país deixou um cenário de recessão durante o governo anterior, do presidente Michel Temer (MDB), ainda que tal avaliação tenha dividido economistas e pesquisadores. Isto volta a acontecer agora, já que não há consenso sobre a volta da recessão ainda em 2019.

    Na opinião da economista Juliana Inhasz, coordenadora de Graduação do Curso de Economia do Insper, o Brasil ainda não entrou em um quadro de recessão econômica. Para ela, a impressão mais clara é de uma estagnação econômica, com a economia brasileira andando de lado e sem força para avançar rumo a um crescimento forte e sustentável.

    "O cenário atual já aponta para uma possível deterioração das condições socioeconômicas, principalmente pelos índices de desemprego e redução da renda, o aumento da informalidade que é um dos elementos que sai dessa última pesquisa [do IBGE, divulgada na quinta-feira], então já temos elementos para apontar uma fragilidade da nossa economia", avaliou ela em entrevista à Sputnik Brasil.

    A docente do Insper destacou que os indicadores gerais são muito preocupantes, mas isso não deve ser encarado com surpresa. Na avaliação da analista, a chave para uma retomada clara e consistente do crescimento da economia brasileira passa pelas reformas – mais especificamente a da Previdência e a Tributária –, que avançam a passos lentos em Brasília.

    "A gente hoje vê um quadro macroeconômico que não é o quadro que a gente gostaria de enxergar, porque estamos vendo as nossas expectativas econômicas se deteriorarem, nós tínhamos a esperança que o novo governo conseguiria rapidamente criar um novo dinamismo econômico, mas não foi isso que nós vimos, não tem acontecido", ponderou.

    "Dá para entender o motivo de pessoas fazerem previsões sobre um novo cenário de recessão. Eu, no entanto, acredito que vamos continuar andando bem de lado, já vimos que a economia brasileira não consegue dar grandes avanços, mas acho que ainda é um pouco cedo que a gente consiga dizer que logo estaremos em recessão", acrescentou a economista.

    Como não é segredo para ninguém, o impacto da política na economia brasileira é amplo, por isso a dificuldade da articulação por parte do governo do presidente Jair Bolsonaro junto ao Legislativo tem a sua parcela de culpa, de acordo com Juliana Inhasz. Entretanto, ela prefere ver evoluções em andamento, as quais, para ela, evitarão a volta da recessão.

    "Temos visto algumas tentativas no Congresso para que as reformas andem, a gente já tem uma articulação forte em torno da Reforma Tributária, a Reforma da Previdência continua no cenário, apesar de não da forma com que gostaríamos, então temos elementos para acreditar que talvez consigamos ter mais fôlego e criar tração na economia brasileira", prosseguiu.

    Outros especialistas são menos otimistas do que a professora do Insper, projetando um cenário técnico de recessão após mais dois trimestres de recuo do PIB nacional. Contra isso, cabe ao governo Bolsonaro, com o ministro da Economia Paulo Guedes a frente, correr contra o tempo. O país tem pressa, acrescentou a especialista ouvida pela Sputnik Brasil.

    "A informação que nos importa é olhar como a população tem sobrevivido e a sociedade caminhado nos últimos tempos. O que temos observado é que a população tem cada vez menos capacidade de comprar aquilo que ela quer, ela se encontra em uma fragilidade socioeconômica elevada por conta do alto desemprego. A nossa situação econômica é delicada", completou.

    Mais:

    'Crescimento exagerado' da previdência e recessão quebraram Estados, diz economista
    Temer diz que Brasil 'deixou recessão para trás'
    FMI diz que Brasil 'está pronto para sair de recessão profunda'
    Governo estuda liberar saques em contas ativas do FGTS para estimular economia, diz Guedes
    Tags:
    crescimento, reforma tributária, reforma da previdência, desemprego, recessão, economia, política, Insper, IBGE, Juliana Inhasz, Paulo Guedes, Michel Temer, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar