19:48 15 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Brasil, Colõmbia e Peru respondem por 83% da área da Bacia Amazônica

    Noruega e Alemanha podem retirar recursos para o Fundo Amazônia, diz agência

    Sideney Oliveira/Agência Pará/Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    462

    O governo do Brasil enfrentou resistência dos principais doadores, Noruega e Alemanha, em relação aos planos de mudar a gestão do Fundo Amazônia, que tem bilhões de dólares, para reduzir o desmatamento, informaram pessoas a par do assunto.

    Se o governo do presidente Jair Bolsonaro alterar unilateralmente o modelo de governança do fundo de desenvolvimento sustentável, poderá levar os dois países europeus a suspender as doações ou até mesmo retirar fundos não utilizados, revelaram fontes à Agência Reuters, pedindo anonimato devido à sensibilidade das negociações.

    O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, um cético em relação à mudança climática, criticou há duas semanas a administração do fundo por alegadas irregularidades em premiações não especificadas a organizações não-governamentais, exigindo novas regras de governança. Além disso, Salles suspendeu todas as operações do fundo, aguardando análise.

    A Noruega e a Alemanha responderam que estavam satisfeitas com a administração do fundo de US$ 1,28 bilhão do banco estatal de desenvolvimento BNDES e pediram ao ministro que fornecesse as alterações propostas por escrito.

    "Na tarde de quinta-feira, não recebemos nenhuma proposta escrita nem um relatório de inspeção do BNDES", afirmou à Reuters uma porta-voz da embaixada alemã em Brasília.

    O Ministério do Meio Ambiente não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

    A Noruega doou US$ 1,2 bilhão e a Alemanha pagou US$ 68 milhões, com outros US$ 100 milhões a caminho para o fundo, para o qual os doadores fazem contribuições anuais com base no desempenho do Brasil na redução do desmatamento.

    O desacordo em relação à governança significou que dois projetos selecionados no ano passado, um para recuperar a cobertura vegetal na Amazônia e outro para melhorar o acesso ao mercado para os produtos florestais das comunidades locais, estão suspensos.

    Para os doadores, o aspecto mais preocupante é um plano de Salles para mudar a composição do comitê diretor de 24 membros do fundo que seleciona os projetos a serem apoiados.

    Salles quer reduzir o papel da sociedade civil e retirar um representante dos povos indígenas do Brasil, o que seria inaceitável para os doadores, destacou uma fonte.

    Ambientalistas brasileiros disseram que os movimentos eram parte do projeto político do governo de direcionar os recursos para os agricultores privados e facilitar as proteções ambientais.

    Carlos Rittl, chefe do Observatório do Clima, uma rede de ONGs que trabalham com mudanças climáticas, disse que o fundo foi cuidadosamente estruturado sob a gestão do BNDES quando foi criado em 2008 para evitar a manipulação política.

    "Controlando o comitê de direção e excluindo a sociedade civil, os fundos podem ser canalizados para o setor privado e para longe das ONGs por um governo que frequentemente atacou aqueles que trabalham para proteger o meio ambiente", argumentou Rittl.

    Mais:

    Estariam supermercados britânicos vendendo carne de fazendas desmatadoras da Amazônia?
    Frente parlamentar quer defender Amazônia com apoio do governo e sem choque com ruralistas
    Quero que os EUA explorem a Amazônia, revela Bolsonaro após conversa com Trump
    Tags:
    desenvolvimento sustentável, indígenas, mudanças climáticas, ruralistas, desmatamento, preservação, meio ambiente, Observatório do Clima, BNDES, Carlos Rittl, Ricardo Salles, Jair Bolsonaro, Floresta Amazônica, Amazônia, Alemanha, Noruega, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar