12:38 20 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Mãe e filho em uma comunidade pobre e carente do Rio de Janeiro

    Mais ricos, mais pobres: desigualdade de renda no Brasil é a maior em 7 anos, diz FGV

    © AP Photo / Silvia Izquierdo
    Brasil
    URL curta
    621
    Nos siga no

    Elizabeth Leite de Souza parece desgastada. Ela está procurando trabalho há mais de três anos e ainda não encontrou. Ela e o marido ganham cerca de US$ 300 (R$ 1.208) por mês, ele ganha como trabalhador da construção civil informal e uma pequena ajuda do governo, como o leite distribuído para as famílias vulneráveis.

    "Tudo continua ficando mais caro. Não temos mais nada. Só há dinheiro para comer", disse ela em entrevista à Agência Associated Press.

    No entanto, seu extenso bairro paulistano de Paraisópolis, um aglomerado de tijolo e casas ao longo de ruas estreitas e labirínticas, fica quase à sombra do elegante bairro do Morumbi, onde as torres de apartamentos são cobertas por helipontos que deixam executivos ricos evitarem o tráfego confuso abaixo.

    É um contraste que está se tornando mais intenso na economia estagnada do Brasil.

    Um estudo divulgado este mês pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) concluiu que a principal medida de desigualdade de renda atingiu seu nível mais alto desde que a série começou há sete anos, com o Brasil entre os países mais desiguais de uma região mais ampla, onde a diferença entre ricos e pobres é notório.

    O levantamento da organização de pesquisa descobriu que a renda da parte mais rica dos brasileiros aumentou em 8,5% nos últimos sete anos, enquanto a dos mais pobres caiu 14% — aparentemente porque o aumento do desemprego aumentou a competição por mão de obra pouco qualificada.

    Marcelo Neri, diretor econômico da fundação, avaliou que a forte recessão que começou em 2014 tem sido um "concentrador de riqueza". O PIB caiu mais de 7% em 2015 e 2016, e aumentou apenas 1% nos últimos dois anos.

    A pobreza também vem aumentando. O Instituto Geográfico do governo (IBGE) calcula que 54,8 milhões de brasileiros vivem na pobreza, cerca de 26,5% da população.

    "A grande vítima [da recessão] é a população extremamente pobre, com pouca escolaridade, negra, que vive no norte, no nordeste e nas periferias das grandes cidades", disse Neri.

    Neri destacou que a desigualdade sufocou o crescimento porque os setores mais pobres e vulneráveis da população são os que mais consomem.

    Programas como os subsídios de renda para os pobres, introduzidos pelos governos anteriores, não foram expandidos para conter a crise econômica, disse Neri. "O Brasil esqueceu de cuidar de seus novos pobres".

    Os investidores esperavam que o novo presidente Jair Bolsonaro, que assumiu o cargo em 1º de janeiro, revitalizasse rapidamente a economia com políticas favoráveis ao mercado. Até agora, não houve decolagem. O Ministério da Economia na semana passada rebaixou sua projeção de crescimento do PIB para este ano de 1,6% para 1,2%.

    Agnailza de Jesus, mãe de dois filhos de 38 anos, tentou lidar com a crise convertendo sua sala de estar em Paraisópolis em um salão de beleza, porque não encontrou outro trabalho.

    "Eu nunca fiquei desempregada por seis meses, a maioria foi de um ou dois meses e alguém me contava, ou eu veria um anúncio de emprego e eu pegaria", comentou. "Agora é muito difícil. Existem muitas pessoas sem trabalho".

    Mais:

    Ídolo de João Doria, ex-prefeito de Nova York defende mais impostos para pobres (VÍDEO)
    FMI: conta do aquecimento global será mais salgada para países pobres
    Vem aí mais um partido: Frente Favela Brasil quer falar pelos pobres e negros do Brasil
    Tags:
    pobreza, pobres, fome, desigualdade, economia, FGV, IBGE, Marcelo Neri, Jair Bolsonaro, São Paulo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar