19:29 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    O líder da Igreja Ortodoxa Russa, Kirill, Patriarca de Moscou e de toda a Rússia, é recebido pelo Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta

    'Brasil é mais preparado para cooperação com Igreja Ortodoxa Russa', diz bispo russo

    Wilton Júnior / Estadão Conteúdo
    Brasil
    URL curta
    7151
    Nos siga no

    Separadas por mais de um milênio, a Igreja Católica e a Igreja Ortodoxa Russa iniciaram há 3 anos um inédito "caminho da fraternidade". A Sputnik Brasil realizou uma entrevista com o bispo da Igreja Ortodoxa na América do Sul, Ignaty Pologrudov, sobre a atual relação das duas igrejas e o papel que o Brasil pode desempenhar neste aspecto.

    Em 12 de fevereiro de 2016 a capital cubana de Havana foi sede do histórico início da reaproximação entre as Igrejas Ortodoxa Russa e Católica Apostólica Romana, quando o Patriarca Kirill e o Papa Francisco retomaram um diálogo suspenso desde o ano de 1054.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o bispo da Igreja Ortodoxa na América do Sul, Ignaty Pologrudov, afirmou que o histórico encontro  entre os dois líderes teve uma "importância colossal" e que superou todas as expectativas sobre o resultado da reunião, refletindo em medidas concretas executadas ativamente nos dias de hoje. 

    "Primeiramente, o que aconteceu do ponto de vista histórico? Se reuniram pela primeira vez em mil anos os líderes das duas maiores igrejas cristãs, que antes eram unidas. Nós tivemos uma grande experiência de conviver juntos no primeiro milênio do Cristianismo. Houve uma grande experiência. Então o significado é que foi superada uma barreira enorme do ponto vista psicológico entre católicos e ortodoxos", afirmou Pologrudov. 

    "Esse último milênio em nossas relações foi preenchido de desconfiança, hostilidade mútua, chegou-se até a conflitos abertos, e foi acumulado tanto preconceito, que ninguém poderia supor que isso poderia ser superado. Ninguém julgava que tal encontro seria possível. Mas Deus julgou a sua maneira. O encontro aconteceu. Então, o segundo significado [da importância do encontro] é que duas igrejas superaram uma enorme barreira de indiferença e hostilidade. É um passo gigantesco. Não digo no sentido de uma união — não dá pra falar em união hoje, visto que existem muitas diferenças —, mas um contato fraterno eu acho que é possível", acrescentou. 

    De acordo com ele, quando foi anunciado que tal encontro estava sendo planejado, ninguém do Conselho dos Bispos da Igreja Ortodoxa acreditava que, se tal evento acontecesse, alguma coisa séria poderia sair do encontro, resultando em uma reunião protocolar. 

    "Ninguém poderia imaginar que, como resultado do encontro, seria assinada uma declaração tão forte. Ela [a declaração] é composta por 30 pontos, metade dos quais carregam um caráter absolutamente real. Nos foi decretado pelo Papa Francisco e pelo Patriarca Kirill um caminho concreto de cooperação conjunta. Então, a partir desta declaração nós podemos preparar eventos em conjunto de maneira concreta, é o que nós estamos fazendo", explicou o bispo. 

    Ignaty Pologrudov, que reside em Buenos Aires desde 2016, contou que, após a reunião com o Papa Francisco, o Patriarca Kirill o encarregou de servir na América do Sul, incumbindo-o de duas tarefas principais. 

    "A primeira é fortalecer a vida das nossas paróquias aqui na América do Sul. A segunda é desenvolver e fortalecer a relação com a Igreja Católica. Esse resultado não pode morrer. Ele tem que ser desenvolvido. E são as pessoas que desenvolvem isso", diz. 

    O bispo afirmou, durante a sua visita ao Brasil, se reuniu na quarta-feira (22) com o Cardeal Orani João Tempesta. Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, e durante o encontro foi nomeada uma pessoa para estabelecer contato direto com a Igreja Ortodoxa e buscar a realização dos pontos da declaração conjunta assinada pelo Papa Francisco e o Patriarca Kirill. 

    "No meu ponto de vista, o Brasil é mais preparado, a julgar pelo que vejo, para essa cooperação e desenvolvimento das relações entre a Igreja Ortodoxa Russa e a Igreja Católica", afirmou. 

    Segundo ele, pelo fato do país ter uma população formada por várias nacionalidades, o Brasil está mais formado como nação. "Aqui há uma percepção de maior unidade do povo, apesar de que devem existir problemas, eles existem em todos os lugares, mas os brasileiros se sentem mais brasileiros", diz ele. 

    "Aqui está mais consolidado o papel da Igreja Católica. E os brasileiros estão mais abertos à Ortodoxia, entendem melhor, isso porque eles foram educados na Igreja Católica, que de todas as igrejas cristãs, é a mais próxima de nós", disse ele.  

    "Se falarmos de alguns fatos concretos, existe aqui a única organização de nossa diocese que se configura como uma missão de difundir a fé ortodoxa […] e durante minha conversa com o Cardeal Orani João Tempesta, eu perguntei como ele vê o fato que existe essa missão, na qual chegam até nós brasileiros, fazem o batismo. Ele me disse: 'nós fazemos a mesma coisa, difundir o Cristianismo'. Sim, nós temos diferentes tradições, mas isso não deve ser obstáculo para que nós façamos a nossa principal missão, da qual falou Cristo", completou. 

    Mais:

    Patriarca da Igreja Ortodoxa russa, Kirill, celebra missa pascal em Moscou (VÍDEO)
    Ucrânia lança a sua própria Igreja Ortodoxa em novo episódio 'russofóbico'
    Patriarca da Igreja Ortodoxa Russa revela quando o 'fim do mundo' vai chegar
    Papa adverte contra 'elitismo', 'crueldade' e 'individualismo extremo' no Ocidente
    Papa Francisco anuncia medidas para combater abusos sexuais e encobrimentos na Igreja
    Tags:
    igreja ortodoxa, catolicismo, religião, Departamento do Patriarcado de Moscou para Relações Externas da Igreja Ortodoxa, Igreja Ortodoxa, Igreja Católica, Papa Francisco, Patriarca Kirill, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar