23:30 21 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Programa Mais Médicos deve ser retomado em breve

    Mais Médicos: governo Bolsonaro tenta, de novo, preencher vagas deixadas por cubanos

    Karina Zambrana/Ascom-MS/Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    1025

    O governo brasileiro ainda não conseguiu preencher todas as vagas deixadas pelos profissionais cubanos que participavam do Programa Mais Médicos. Na segunda-feira, Brasília abriu um novo período de inscrição para mais de 2.000 vagas.

    Segundo comunicado do Ministério da Saúde, o processo visa preencher "2.212 vagas distribuídas em 1.185 municípios e em 13 distritos sanitários especiais indígenas com os maiores índices de vulnerabilidade do país", afirma o comunicado.

    Os interessados, que podem ser estrangeiros, embora devam ter sido treinados no Brasil, têm até o dia 29 de maio para se inscrever online.

    Cuba anunciou em novembro de 2018 sua saída do programa Mais Médicos, em resposta às declarações do presidente Jair Bolsonaro, que prometeu novas demandas para os médicos do país caribenho e às vezes questionou seu profissionalismo.

    Após a saída de Cuba do programa, o Brasil publicou uma chamada urgente para cobrir 8.517 vagas, priorizando os médicos brasileiros formados no país.

    A chamada poderia cobrir apenas 7.120 postos, e meses depois muitos desses médicos desistiram e deixaram os municípios que foram designados.

    Uma contagem do portal G1 com base em dados oficiais garante que 1.325 haviam renunciado a esses cargos até este mês de maio.

    O novo convite lançado visa assegurar cuidados de saúde para quase seis milhões de pessoas que vivem em regiões muito pobres ou de difícil acesso, e foi por isso que elas não foram escolhidas pelos médicos no início.

    Mais:

    Mais Médicos: 29% dos selecionados não se apresentaram
    Mais Médicos com cubanos: sim ou não? – especialistas discutem
    'Parecia convênio entre Cuba e PT', diz novo ministro da Saúde sobre Mais Médicos
    Por 'desrespeito' de Bolsonaro, Cuba cancela participação no Mais Médicos
    Tags:
    direitos humanos, política, médicos cubanos, Mais Médicos, saúde, Ministério da Saúde, Jair Bolsonaro, Cuba, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar