11:02 10 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Manifestantes se reúnem em frente à Igreja da Candelária para protestar contra política de contingenciamento de verbas para a educação pública do governo Bolsonaro.

    Balanço dos protestos: 228 cidades e centenas de milhares nas ruas

    © Sputnik / Solon Neto
    Brasil
    URL curta
    13160
    Nos siga no

    Pelo menos 228 cidades registraram protestos contra a redução dos gastos públicos com educação nesta quarta-feira (15). As manifestações foram convocadas pelas redes sociais após decisão do Ministério da Educação de bloquear 24,84% dos recursos esperados em 2019 para universidades, institutos técnicos e escolas sob administração do governo federal.

    Em São Paulo, os manifestantes iniciaram uma marcha na Avenida Paulista, a avenida mais importante da cidade. Além da greve iniciada na Universidade de São Paulo (USP), cerca de 32 instituições privadas decidiram não abrir hoje em solidariedade aos movimentos sociais. A polícia não divulgou uma estimativa oficial de manifestantes nas ruas.

    No Rio de Janeiro, os protestos começaram em frente à Igreja da Candelária. Cerca de 150 mil manifestantes andaram por 1h30. Um ônibus foi incendiado e a polícia usou bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar os manifestantes.

    Manifestantes se reúnem em frente à Igreja da Candelária para protestar contra política de contingenciamento de verbas para a educação pública do governo Bolsonaro.
    © Sputnik / Solon Neto
    Manifestantes se reúnem em frente à Igreja da Candelária para protestar contra política de contingenciamento de verbas para a educação pública do governo Bolsonaro.

    Em Brasília, capital do Brasil, congressistas da oposição se juntaram a estudantes e sindicalistas para protestar em frente ao Congresso Nacional, onde o ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi convocado a prestar esclarecimentos sobre a contingenciamento de fundos.

    Mais protestos também foram registrados em várias cidades importantes, como Belo Horizonte, Salvador, Campinas, Recife e Natal.

    Em viagem aos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro comentou os primeiros protestos de massa desde a posse do novo governo e classificou os manifestantes como "idiotas úteis" e "massa de manobra". Ele também disse ter assumido um governo "destruído economicamente" e justificou o bloqueio das verbas pela necessidade de cumprir a Lei de Responsabilidade fiscal.

    Tags:
    Lei de Responsabilidade Fiscal, Universidade de São Paulo (USP), Abraham Weintraub, Jair Bolsonaro, Candelária, Natal, Campinas, Estados Unidos, Recife, Belo Horizonte, Salvador, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar