21:25 20 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Ministro da Educação, AbrahamWeintraub fala sobre os cortes no orçamento das universidades públicas na Câmara dos Deputados, 15 de maio de 2019

    Com protestos em todo o país, Weintraub presta esclarecimentos na Câmara (VÍDEO)

    © Foto: Agência Brasil/Fabio Rodrigues Pozzebom
    Brasil
    URL curta
    505

    O ministro da Educação, Abraham Weintraub, prestou esclarecimentos na Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (15) sobre o bloqueio de verbas de universidades federais.

    A convocação do ministro foi aprovada pelos parlamentares na última terça-feira(14), por 307 votos a 82. Enquanto os parlamentares debatiam com o ministro da Educação, protestos contra a medida do governo tomavam as ruas em 22 Estados no país. 

    Em uma fala de cerca de 30 minutos, Abraham Weintraub responsabilizou os governos anteriores pela realização do atual plano de contingenciamento de recursos para as universidades federais. 

    "Não somos responsáveis pelo contingenciamento atual […] Este governo, que tem quatro meses, não é responsável pela situação", afirmou o ministro.

    "O orçamento atual foi feito pelo governo eleito Dilma Rousseff e Michel Temer, que era vice. Nós não votamos neles. Não somos responsáveis pelo desastre da educação brasileira. O sonho das pessoas é colocar os filhos na educação privada, não na pública", afirmou. 

    De acordo com ele, a prioridade do projeto do Ministério da Educação é valorizar o ensino básico. "Não estou querendo diminuir o ensino superior. Ao que a gente se propõe? Cumprir o plano de governo que foi apresentado. Prioridade é ensino básico, fundamental, técnico", afirmou.

    Mais:

    Manifestações contra bloqueio na educação já são registradas em 23 estados e no DF
    Universidades federais convocam greve geral em 15 de maio contra cortes na educação
    'Estranhíssimo o ministro da Educação desconsiderar a legislação', diz especialista
    Tags:
    educação, Ministério da Educação, MEC, Abraham Weintraub, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar