15:23 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    O presidente eleito, Jair Bolsonaro, participa de almoço com artistas sertanejos, no Clube do Exército, em Brasília

    Bolsonaro nos EUA de novo? Conheça destinos que poderiam ser mais relevantes

    © Foto / José Cruz/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    980
    Nos siga no

    Em pouco mais de 4 meses de governo, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (PSL), terá visitado duas vezes os Estados Unidos. Porém, há lugares mais importantes que poderiam ser visitados pelo presidente brasileiro, dentro e fora do Brasil.

    Em fevereiro, Bolsonaro esteve em Washington para se encontrar com o presidente dos EUA, Donald Trump. Agora, depois de polêmicas, decidiu ir a Dallas para receber o prêmio de "personalidade do ano", oferecido pela Câmara de Comércio Brasil-EUA. Além dos EUA, Bolsonaro também visitou a Suíça, Israel e Chile desde que assumiu a Presidência.

    Já dentro do Brasil, Bolsonaro esteve nos estados de Santa Catarina, Paraná, Amapá, Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo. As viagens que fez desde janeiro, no entanto, privilegiaram eventos militares e evangélicos e foram mais frequentes em São Paulo e Rio de Janeiro.

    Com desemprego aumentando, Nordeste aguarda o presidente

    A região Nordeste do Brasil foi a única que não deu maioria de votos para Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2018, dando larga preferência a Fernando Haddad (PT). A região é onde se concentra a pior avaliação do atual presidente, segundo o Ibope.

    Ciente da preferência política da região, Bolsonaro afirmou diversas vezes durante sua campanha que daria prioridade aos nordestinos em seu governo. Apesar disso o Nordeste é a única região não visitada por Bolsonaro até agora.

    Porém, já há uma primeira visita agendada para o dia 24 de maio, quando se encontrará com o Conselho Deliberativo da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene).

    A falta de atitude em relação à região tem sido apontada por analistas e congressistas como prejudicial para a Reforma da Previdência, uma vez que deputados nordestinos têm se queixado da falta de atenção do Planalto para com a região.

    O Nordeste é a região do país que mais perdeu vagas com carteira assinada em 2019, tendo quase 24 mil postos de trabalho fechados apenas em março.

    Roraima e a crise venezuelana

    A Venezuela foi um dos termas mais discutidos por Bolsonaro durante a campanha e também desde que se elegeu. No Brasil, o estado de Roraima, que faz fronteira com a Venezuela, foi o que mais sentiu os efeitos da crise política no país vizinhos, sendo porta de entrada para milhares de imigrantes venezuelanos.

    O deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente eleito Jair Bolsonaro,
    © Foto / Paola de Orte/Agência Brasil
    O deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente eleito Jair Bolsonaro,

    Em fevereiro, a região foi uma das protagonistas internacionais da tentativa de entrada de ajuda humanitária na Venezuela, com direito a protestos e repressão.

    Apesar da retórica de Bolsonaro, que chegou a receber em Brasília o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, a região fronteiriça também não foi visitada pelo presidente desde que recebeu a faixa presidencial.

    Principais parceiros comerciais também poderiam ser visitados

    Desde que assumiu a presidência, Bolsonaro mostrou preferência ideológica em suas visitas internacionais. As visitas aos EUA, Israel e Chile, mostraram que seu discurso de campanha para a política externa tomou forma.

    Em 2018, segundo números do governo, os Estados Unidos foram o 2º maior comprador de produtos do Brasil, enquanto o Chile ficou em 6º no quesito. Já Israel foi o 74º país na lista, atrás de países como Cuba e Venezuela.

    Em termos comerciais, mesmo Chile e Estados Unidos poderiam ter ficado para depois, uma vez que o principal parceiro brasileiro na região em 2018 foi a Argentina, enquanto no mundo, foi a China.

    Apesar de queda em relação ao ano anterior, as exportações do Brasil para Argentina foram quase 3 vezes maiores do que os negócios fechados com o Chile ao longo de 2018.

    O caso da China também é representativo. No ano passado o país foi o principal destino das exportações brasileiras, somando o dobro da exportação para os Estados Unidos. As críticas aos chineses durante a campanha de Bolsonaro tiveram que ser remediadas com declarações nos primeiros meses do ano, além de um encontro com o embaixador da China no Brasil. Uma possível visita ao país asiático ainda é uma especulação.

    O embaixador da China no Brasil, Li Jinzhang (à esquerda) e o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro (à direita).
    O embaixador da China no Brasil, Li Jinzhang (à esquerda) e o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro (à direita).

    Já o caso de Israel é o que mais evidencia a preferência ideológica nas viagens internacionais do presidente brasileiro. A aproximação com o país — em especial as intenções de mudar a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém — gerou ruídos com parceiros comerciais importantes do Brasil no mundo Árabe, como é o caso do Egito. Em março, após reunião com representantes da comunidade Árabe no Brasil, surgiram rumores de que o presidente brasileiro poderia visitar algum país da Liga Árabe até o final do ano, mas por enquanto nada foi anunciado. 

    Mais:

    'Se um homem entrar em casa para barbarizar, é para meter chumbo', diz Bolsonaro
    Bolsonaro promete corrigir tabela do Imposto de Renda
    Bolsonaro inaugura com Paraguai as obras de nova ponte que ligará os 2 países
    Bolsonaro quer Moro no STF
    STF dá prazo de 5 dias para Bolsonaro explicar decreto das armas
    Senador: Flexibilizando porte de arma, Bolsonaro transfere responsabilidade pela segurança
    Tags:
    diplomacia, Câmara de Comércio Brasil-EUA, Juan Guaidó, Jair Bolsonaro, Donald Trump, Nordeste, Venezuela, Cuba, China, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar