23:16 24 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Jair Bolsonaro chegando ao encontro no Palácio do Planalto em Brasília (foto de arquivo)

    Bolsonaro diz que há 'fissuras' em patentes baixas do exército venezuelano

    © AP Photo / Eraldo Peres
    Brasil
    URL curta
    1015

    O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (2) que há uma “fissura” nas patentes mais baixas no exército da Venezuela. A declaração foi dada em live transmitida pelo Facebook, na cidade de Camboriú (SC).

    “Há uma fissura nas patentes mais baixas, mas a tendência é essa fissura subir e atingir os altos escalões dos generais e a solução passa por aí. E nós faremos o possível, dentro do nosso limite, para que a Venezuela volte à normalidade”, disse o presidente.

    O presidente disse que a crise venezuelana afeta o preço dos combustíveis no país. “Isso que acontece na Venezuela tem impacto na nossa economia, porque se a oferta de petróleo cai no mercado internacional, a tendência é aumentar o preço e aumentando o preço temos consequência aumentando o preço do combustível aqui do Brasil”, disse.

    Ao lado de Bolsonaro, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, disse que considera a situação ainda indefinida.

    “Apesar da movimentação enorme na Venezuela esta semana, nós consideramos a situação ainda indefinida. Teve gente que qualificou o que aconteceu como uma derrota do presidente [autoproclamado da Venezuela, Juan] Guaidó. Nós não vemos dessa maneira. O que acontece é que não é fácil tirar do poder alguém que, eleito sem legitimidade, resolveu aliciar seus generais — surpreendentemente — em torno de 2 mil e aliciar de forma totalmente inesperada, totalmente fora dos padrões, aqueles que deveriam ser os que mais defendessem o país visando o patriotismo, a dignidade da Venezuela”, disse.

    Segundo o ministro, o governo de Nicolás Maduro teria “aliciado e comprado” militares de alta patente com cargos. Além disso, teria empregado generais no tráfico de drogas.

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar