00:27 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Deputado federal Onyx Lorenzoni - DEM/RS

    Ministro de Bolsonaro oferece R$ 40 mi para deputados aprovarem reforma, diz jornal

    Luis Macedo/ Câmara dos Deputados
    Brasil
    URL curta
    11115
    Nos siga no

    O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), ofereceu R$ 40 milhões em recursos extras, repassados por emendas parlamentares até 2022, para que deputados votem a favor da Reforma da Previdência, segundo informações do jornal Folha de S. Paulo.

    À publicação, líderes de cinco partidos confirmaram a oferta feita pelo articulador do presidente Jair Bolsonaro (PSL), em um movimento que lembra governos anteriores – nas redes sociais, a manobra descrita pela Folha foi chamada de "Mensalão 2.0", em referência ao esquema protagonizado pelo PT na era Lula.

    A proposta de Lorenzoni, segundo o jornal, foi feita durante um encontro na semana passada na casa do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). De acordo com os líderes partidários, a proposta do ministro eleva em 65% manejo do Orçamento por congressistas para obras e investimentos de infraestrutura em seus redutos eleitorais.

    As fontes dos recursos mencionados por Lorenzoni também não foi esclarecida, informou a Folha, mas permitiria um acréscimo de R$ 10 milhões aos R$ 15,4 milhões em emendas que os deputados têm direito. O jornal também destacou que os partidos procurados foram DEM, PP, PSD, PR, PRB e Solidariedade – integrantes do chamado "Centrão".

    Esse grupo de legendas já causou dores de cabeça ao governo Bolsonaro na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, atrasando os trabalhos por discordar de alguns pontos da proposta, apresentada em 20 de fevereiro pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

    Aprovado nesta terça-feira, o projeto agora segue para a Comissão Especial, na qual já se ensaia uma nova desidratação da proposta, que pode desandar a meta de economia de R$ 1,1 trilhão projetada pela equipe de Guedes. No momento, o governo e Maia estudam a indicação do relator para a proposta.

    O governo Bolsonaro não respondeu ao contato do jornal para comentar a oferta de dinheiro extra para emendas. Uma das grandes promessas do atual presidente durante a sua campanha era colocar um ponto final no chamado "toma lá, dá cá", prática antiga em que troca-se cargos, verbas ou outro benefícios por apoio no Congresso.

    Mais:

    Governo cede e admite alterar texto da reforma da Previdência pela aprovação na CCJ
    Datafolha: maioria dos brasileiros é contra a reforma da Previdência
    Especialista: projeto de governo de Bolsonaro é uma Reforma da Previdência com falhas
    Tags:
    mensalão, toma lá, dá cá, velha política, política, reforma da previdência, Solidariedade, PRB, PR, PSD, PP, DEM, CCJ, Câmara dos Deputados, Paulo Guedes, Rodrigo Maia, Jair Bolsonaro, Onyx Lorenzoni, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar