10:37 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Jair Bolsonaro chegando ao encontro no Palácio do Planalto em Brasília (foto de arquivo)

    Líder do PSL diz que Bolsonaro tem que 'dar um basta' em Olavo de Carvalho

    © AP Photo / Eraldo Peres
    Brasil
    URL curta
    295
    Nos siga no

    O líder do PSL na Câmara dos Deputados, Delegado Waldir (GO), criticou nesta segunda-feira (22) a influência que Olavo de Carvalho exerce sobre o governo Bolsonaro.

    Waldir classificou como "absurdo" o fato do escritor Olavo de Carvalho, considerado como guru da família Bolsonaro, atacar o governo e os militares.   

    "O mais absurdo é um 'guru' que vive nos EUA atacar o governo e os militares. O presidente [Bolsonaro] não pode ficar à mercê dessas pessoas e pegar a opinião do 'louco do dia'", disse em entrevista à Rádio Eldorado nesta manhã. 

    De acordo com o líder do PSL, o presidente Jair Bolsonaro "tem que dar um basta nesse astrólogo que comanda dois ministérios [Educação e Relações Exteriores], pois as pessoas querem Educação, Saúde e Segurança". 

    "Basta de discutir ideologia. Todo mundo espera isso do Brasil. Temos de dar um passo à frente, gerar emprego. Sou Bolsonaro de carteirinha, mas é preciso o governo parar de discutir o 'sexo dos anjos' com um futurólogo que mora nos EUA, é um trem muito absurdo isso", acrescentou.

    Olavo de Carvalho publicou um vídeo no último fim de semana em que fez críticas aos militares do governo. Posteriormente, o canal do presidente Jair Bolsonaro publicou o vídeo, que também foi compartilhado pelo filho Carlos Bolsonaro. Horas depois, o registro foi deletado das redes sociais. 

    Mais:

    Bolsonaro condena ataques terroristas no Sri Lanka
    Bolsonaro compara invasão de terra a terrorismo
    Professor é demitido após ser filmado criticando Bolsonaro em aula
    Bolsonaro critica suposta 'indústria da demarcação de terras indígenas'
    Tags:
    militares, PSL, Olavo de Carvalho, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar