11:43 23 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Rio em trecho da Mata Atlântica fotografado em Santa Catarina.

    Situação de rios na Mata Atlântica é 'extremamente crítica', alerta pesquisador

    © Foto : Luiz Carlos Meier/Wikimedia Commons
    Brasil
    URL curta
    5180

    Grandes rios brasileiros, responsáveis pelo abastecimento e segurança hídrica de 17 estados que possuem vegetação da Mata Atlântica estão por um triz. Levantamento da fundação SOS Mata Atlântica mostra que em 74,5% dos pontos de coleta analisados, os índices marcam qualidade apenas "regular", no limite do considerado adequado para seres humanos.

    O trabalho coletou no ciclo hídrico entre 2018 e 2019, amostras em 278 pontos de 220 rios da Mata Atlântica entre o Rio Grande do Sul até o Rio Grande do Norte. Para isso, foram necessários 3.500 voluntários fazendo coletas de amostragens mensalmente. Os resultados desanimam.

    Em 74,5% dos pontos monitorados a qualidade é considerada precária e índice classificado como “regular”, considerado o limite mínimo permitido na legislação e nos padrões internacionais de qualidade da água para abastecimento humano, irrigação, pesca e lazer. Pior: 19% dos pontos analisados estão em rios poluídos, com qualidade ruim e péssima, na qual a água está imprópria para o uso. Apenas 6,5% dos pontos analisados têm qualidade boa.

    "Infelizmente os rios estão por um triz. [Se analisarmos a totalidade], 93,5% dos rios estão sob risco, uma realidade chocante", lamenta o biólogo e educador ambiental da Fundação SOS Mata Atlântica, Tiago Félix. Segundo ele, a questão é tão complicada que torna-se difícil até mesmo elencar em qual dos 17 estados que compõem o bioma a situação é pior.

    "Em todos os estados a situação é crítica, não há nenhuma região do país onde não se esteja em alerta. Também a política de uso de agrotóxicos no campo é extremamente danosa para os rios, assim como os crimes ambientais, mineiração sem controle, tudo isso são fatores de piora. Nós também somos responsáveis pela morte cotidiana destes rios", critica.

    Para Félix, a saúde dos rios é um reflexo direto do abandono do poder público às políticas ambientais. O biológo avalia que falta fiscalização e proteção mais abrangente das matas ciliares e das áreas de recarga de lençol freático (pontos de infiltração no solo que levam a reservas de água subterrâneas, dando origem a  nascentes), já que atividades predatórias e sem controle acabam contaminando o solo e as "nossas reais riquezas hídricas".

    "A sociedades, o poder público e as ONGs fazem parte deste esforço para realmente reparar esse dano que estamos causando em níveis astronômicos. Precisamos de políticas públicas de saneamento, restauração florestal, segurança hídrica e de alimentação. A gente deve cuidar dos rios se quisermos cuidar da nossa própria saúde", apela.

    De acordo com a Empresa Brasileira de Agropecuária (Embrapa), a Mata Atlântica é um dos biomas mais degradados e sob maior risco no Brasil. Apenas 0,05% do que já foi sua cobertura original permanece viva. Ainda segundo o Ibama, ela é a 2ª floresta mais agredida do mundo, perdendo apenas para a ilha de Madagascar.
    Tags:
    Fundação SOS Mata Atlântica, Tiago Félix, Mata Atlântica, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar