19:25 17 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Polícia Civil apreende 117 fuzis na casa de amigo do suspeito de ter atirado em Marielle

    Polícia Civil do RJ diz não ter dados sobre seu principal órgão de combate às milícias

    © Foto : Divulgação/Polícia Civil
    Brasil
    URL curta
    Thales Schmidt
    440

    Em resposta a um pedido de Lei de Acesso à Informação, a Polícia Civil do Rio de Janeiro afirmou à Sputnik Brasil não ter informações sobre orçamento e números de servidores lotados na Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (DRACO-IE).

    O órgão é a principal força no combate aos grupos paramilitares e o crime organizado no Estado do Rio de Janeiro.

    A legislação federal que estabelece que pedidos de lei de acesso à informação devem ser respondidos em até 20 dias. A resposta da Polícia Civil carioca demorou 341 dias. O pedido solicitava informações orçamentárias e pessoal de 2000 até o dado mais recente disponível.

    A Polícia Civil informou que não havia "encontrado" em seus arquivos as informações. A Sputnik Brasil recorreu da decisão, como também estabelece a lei de acesso à informação, e até o momento não obteve resposta, apesar do vencimento do novo prazo legal para resposta.

    Ministro da Defesa, Raul Jungmann, visita o sistema integrado de sensoriamento (Sisfron) próximo à fronteira com o Paraguai (foto de arquivo)
    © Foto : Agência Brasil/Valter Campanato
    O levantamento havia sido solicitado para integrar reportagem sobre o trabalho de inteligência na segurança pública do Rio de Janeiro. Segundo levantamento do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o Estado do Rio de Janeiro investiu R$ 23,5 mil em segurança e inteligência em 2015.

    Apesar da negativa da Polícia Civil, é possível estimar o tamanho da Draco. A pesquisa "No sapatinho: a evolução das milícias no Rio de Janeiro (2008-2011)", realizada pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), apontou em 2013 que o órgão contava com 12 servidores: 10 policiais e 2 delegados.

    Já o Ministério Público do Rio de Janeiro respondeu pedido de Lei de Acesso à Informação realizado para a reportagem e informou que Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), braço do MP especializado no combate ao crime organizado e às milícias, é composto por 9 servidores.

    Na mesma reportagem, representante do MP carioca afirmou que todos os grupos milicianos do Rio de Janeiro faturam cerca de R$ 1,5 bilhão por ano e controlam áreas em que vivem 2 milhões de pessoas.

    Segurança pública não existe, diz sociólogo que estuda milícias

    Professor de sociologia na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, José Cláudio Souza Alves estuda os grupos paramilitares no Rio de Janeiro há mais de 25 anos. Ele afirma que a resposta da Polícia Civil mostra a "situação caótica" da segurança pública no Estado.

    Autor do livro "Dos Barões ao Extermínio: uma história da violência na Baixada Fluminense", o professor da UFRRJ ressalta que para combater as milícias são importantes medidas amplas como o fim da guerra às drogas e a desmilitarização das polícias, mas também são necessárias ações contínuas e especializadas:

    "Se você não tem pessoal e investimentos para fazer operações de grande porte, não adianta nada. Estamos enrolando, virou tudo uma grande piada, uma grande farsa. Lidamos com uma segurança pública que não existe."

    Sobre a atuação da Draco, Alves afirma que a delegacia faz apenas "ações pontuais" que não são efetivas no combate ao crime organizado.

    "É preciso pegar a rede como um todo, não adianta eu pegar um carinha lá em Campo Grande se a rede se estende pela Baixada Fluminense toda. É uma rede muito hábil, que tem acesso a informações privilegiadas, informações de dentro da polícia, da segurança pública do Estado. Eles vão refluir, recuar, e vão para outras áreas"

    Segundo ele, "o Estado é a milícia" e opta por não interferir em questões estruturais que poderiam combater e minar o poder dos grupos paramilitares. Como exemplo da associação entre milícia e governo, Alves cita a violência policial. Em 2018, as forças policiais do Rio de Janeiro mataram 1534 pessoas.

    "O Estado tem uma lógica e prática miliciana, que é a execução sumária, isso é uma lógica de milícia."

    Procurada pela Sputnik Brasil, a Polícia Civil do Rio de Janeiro não respondeu até a publicação desta reportagem.

    Mais:

    Sobe para 10 o número de vítimas das chuvas no Rio (VÍDEO)
    Milhares marcham contra comemorações da ditadura militar no Rio de Janeiro
    Câmara do Rio abre processo de impeachment contra Crivella
    Filho de Netanyahu dá 'calote' em hotel do Rio após visita do pai a Bolsonaro, diz jornal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar