01:26 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Hamilton Mourão e Jair Bolsonaro.

    Mourão representa quebra na tradição de vices discretos, diz cientista político

    © AP Photo / Eraldo Peres
    Brasil
    URL curta
    993
    Nos siga no

    Envolto em debates acadêmicos, reuniões comerciais e encontro políticos importantes da Casa Branca, o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) cumpre agenda intensa nos Estados Unidos. A Sputnik Brasil entrevistou o cientista político Maurício Fronzaglia para entender o comportamento de Mourão e como ele se encaixa no xadrez do poder em Brasília.

    Falando na Brazil Conference, evento realizado na Universidade de Harvard, Mourão classificou as cadeias brasileiras como masmorras — postura diferente da linha dura do presidente Jair Bolsonaro (PSL). O ex-militar também já se distanciou de Bolsonaro em outras ocasiões, como quando negou a proximidade entre nazismo e esquerda e quando o comentou o autoexílio do ex-congressista Jean Wyllys.

    Para o cientista político do Mackenzie Maurício Fronzaglia, Mourão representa uma quebra na tradição brasileira de vices discretos. "Mourão se comporta de uma forma que não é a tradicional dos vices brasileiros. Ele é mais ativo e fala mais com a imprensa, opina mais e participa mais da vida política nacional."

    Fronzaglia lembra que o Mourão de 2019 é diferente do ex-general que participou da campanha presidencial. Durante o pleito eleitoral, Mourão ganhou as manchetes quando disse que o 13° salário era uma "jabuticaba brasileira", que a beleza de seu neto era fruto do "branqueamento da raça", entre outras falas.

    As manchetes negativas fizeram com que Bolsonaro agisse para silenciar e aplacar o comportamento de Mourão.
    Após assumir a cadeira de vice-presidente, Mourão passou por treinamento de assessores para aprender a se relacionar com a imprensa, revelou reportagem da Agência Pública. Desde então, tem sido mais comedido das nas palavras.

    O guru Olavo de Carvalho não gosta de Mourão. Influente no governo e próximo de ministros como o chanceler Ernesto Araújo, Olavo já afirmou que Mourão é "idiota". A resposta do vice-presidente foi mandar "beijinhos".

    O próprio Mourão nega que seja um contraponto ao presidente e se classifica como "complementar" a Bolsonaro.

    "Na mundo da política, como a gente nunca consegue saber exatamente o que se passa nos bastidores, quais são as articulações que os atores políticos fazem, a gente não consegue saber as verdadeiras intenções, digamos assim, dessa moderação que o vice-presidente coloca. Pode ser uma moderação para dar uma estabilidade maior ao governo, mas ele também se legitimando como um líder moderado e talvez tenha ambições políticas mais à frente", diz Fronzaglia à Sputnik Brasil.

    Mourão "está se legitimando como um líder político internamente e externamente", acredita o cientista político.

    Enquanto Bolsonaro, durante sua visita aos EUA, jantou com Olavo de Carvalho e deu entrevista para a Fox News, canal de televisão que faz defesa da Casa Branca, Mourão fez escolhas diferentes. Ele reuniu-se com o filósofo Roberto Mangabeira Unger, que foi ministro durante a presidência petista, e dará entrevista para a CNN — alvo público do presidente dos EUA, Donald Trump.

    "Ele [Mourão] está se legitimando como um interlocutor político, que pode trabalhar nessa área em que o governo está deficiente", diz Fronzaglia. "Uma voz moderada na articulação pode ser bem vinda."

    Mais:

    Bolsonaro tem avaliação mais baixa entre presidentes no primeiro mandato desde ditadura
    Receita conclui que acesso a dados fiscais de Bolsonaro foram ilegais
    LAAD 2019: ida de Bolsonaro ao Chile vira trunfo de consórcio por quebra-gelo da Marinha
    Bolsonaro afirma que neste ano não haverá horário de verão
    'Não há monopólio': Taurus rebate filho de Bolsonaro e desafia gringas a entrarem no país
    Tags:
    Jair Bolsonaro, Antonio Hamilton Mourão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar