23:51 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante jantar em Washington, na Embaixada do Brasil nos EUA

    Especialista: comunicação política deficiente é motivo para crise no governo Bolsonaro

    © Foto/ Alan Santos/PR
    Brasil
    URL curta
    14105
    Nos siga no

    A avaliação positiva da administração de Jair Bolsonaro (PSL) caiu 15 pontos percentuais desde o início de seu mandato, a maior queda de popularidade desde 1995. Estudos apontam que a comunicação adotada contribui significativamente para essa perspectiva. Mas por que o governo não consegue se comunicar eficientemente com sua base e seus eleitores?

    Desde que assumiu o cargo, o presidente brasileiro tem se envolvido em inúmeras polêmicas de diferentes tipos, incluindo bate-bocas com aliados e mal-entendidos com a imprensa. Um dos motivos para esses problemas, segundo o professor da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) Gabriel Rossi, seria o déficit comunicativo entre o Palácio do Planalto e seu público, que pode ter influenciado, inclusive, no aumento de 11% para 24%, entre janeiro e março, na proporção dos brasileiros que consideram o atual governo ruim ou péssimo.

    ​Rossi, que é especialista na construção e no gerenciamento de marcas e reputação, afirma que o governo deveria rever seus direcionamentos a fim de não perder mais apoiadores e índice de confiança, com o presidente e seus ministros utilizando, por exemplo, o suporte da assessoria jurídica do Ministério Público. Segundo ele, existem assuntos com urgência a serem debatidos, como a reforma da previdência, que, se não passar, pode decretar o fim do governo, o que colocaria o país em um "buraco sem fim". 

    "Primeiramente, é entender que campanha eleitoral é completamente outra realidade. No mandato político, você tem a liturgia do cargo, você governa para todo mundo, e não adianta ficar jogando para a galera. Precisa conhecer bem o seu público, o Brasil é um país complexo, com diferentes personalidades, diferentes perfis", disse o professor em entrevista à Sputnik Brasil.

    Para o acadêmico, uma mudança de atitude na comunicação do governo é necessária, neste momento, tanto para apaziguar os ânimos como para dar segurança para que a reforma da previdência e o projeto apresentado pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, sobre o pacote anticrime, sejam aprovados. 

    "São pautas, evidentemente, importantíssimas para o país."

    Gabriel Rossi considera que, atualmente, a comunicação do Planalto é "amadora, infantil e inconsequente". E ela precisa sair do "palanque" e do "ambiente eleitoral" para pensar no Brasil como um todo, levando em conta a diversidade do país e a clareza das mensagens.

    "O Twitter é muito importante para falar de forma direta com a população, as redes sociais são uma realidade, tudo isso é muito importante. Mas precisa ser feito de forma profissional, de forma orquestrada, de forma clara."

    De acordo com o especialista, o Brasil passa por um período de forte divisão e até de revanchismo, como foi mostrado na última eleição, e, ao que parece, o próprio presidente e sua equipe jogam contra qualquer possibilidade de se resolver essas questões, "eles não precisam de oposição de fato". 

    "A melhor forma de corrigir isso é, primeiro, o presidente exercendo o papel de líder. Essa é a primeira questão. E, depois, orientando todos os ministros para que se posicionem de acordo com o perfil do governo e de acordo com o mandamento jurídico, com o ordenamento jurídico da coisa." 

    Mais:

    Para tentar frear nova paralisação, Bolsonaro anuncia criação do cartão-caminhoneiro
    Bolsonaro afirma que Vélez 'não tem tato político' e que vai conversar com o ministro
    Bolsonaro diz que mudança de embaixada para Jerusalém pode não acontecer
    Campanha de Haddad é multada por impulsionar notícias desfavoráveis contra Bolsonaro
    Bolsonaro diz que crise com Maia é 'página virada'
    Bolsonaro ganha apoio de milhares ao lamentar ser alvo de 'fake news diárias'
    Tags:
    comunicação, aprovação, governo, crise, ESPM, Gabriel Rossi, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar