10:59 15 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira brasileira

    Comandante do Exército participa de evento de comemoração ao golpe de 64

    Fábio Pozzebom/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    161124
    Nos siga no

    O comandante do Exército Brasileiro, general Edson Leal Pujol, participou de uma solenidade no comando Militar do Planalto, em Brasília, em que foi feita a leitura da Ordem do Dia em referência a 31 de março de 1964, data do golpe militar que marcou o início de uma ditadura que durou 21 anos.

    A leitura da Ordem do Dia foi uma determinação do presidente Jair Bolsonaro e foi assinada pela cúpula das Forças Armadas e o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva.

    O documento foi lido na íntegra nesta sexta por uma civil: Roberta Vieira, servidora civil do Hospital Militar de Área de Brasília (HMAB).

    Nesta sexta, no Comando Militar do Planalto, ao anunciar que o evento teria início em seguida, o mestre de cerimônias disse que se tratava de uma solenidade "em comemoração do 55º ano do movimento cívico-militar de 31 de março de 1964". As informações foram publicadas pelo portal de notícias G1.

    Um dos trechos do texto diz: "As Forças Armadas participam da história da nossa gente, sempre alinhadas com as suas legítimas aspirações. O 31 de março de 1964 foi um episódio simbólico dessa identificação".

    Outro trecho do documento lido afirma que o 31 de março estava inserido no ambiente da Guerra Fria.

    “As famílias no Brasil estavam alarmadas e colocaram-se em marcha. Diante de um cenário de graves convulsões, foi interrompida a escalada em direção ao totalitarismo. As Forças Armadas, atendendo ao clamor da ampla maioria da população e da imprensa brasileira, assumiram o papel de estabilização daquele processo”.

    Na solenidade, também houve o canto do Hino Nacional e um desfile de apresentação das tropas. A cerimônia durou pouco menos de 30 minutos.

    Na terça-feira (26), a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão do Ministério Público Federal afirmou que a comemoração do golpe militar de 1964 merece "repúdio social e político" e pode configurar improbidade administrativa.

    A Defensoria Pública da União (DPU) chegou a pedir que a Justiça Federal em Brasília proibisse o governo federal de comemorar o golpe militar de 1964.

    Tags:
    Edson Leal Pujol, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar