10:27 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Por
    45621
    Nos siga no

    Jair Bolsonaro determinou que militares comemorem no dia 31 de março o aniversário do golpe militar de 1964, quando, há 55 anos, o governo de João Goulart foi derrubado por rebelião militar, dando início ao regime, considerado ditatorial por muitos brasileiros e que durou 21 anos.

    O desejo de celebrar traz consigo a indignação dos que acreditam ser dia de luto.

    A comemoração de 31 de março foi pausada pela então presidente Dilma Rousseff (PT) em 2011. Ela própria foi presa durante o regime militar, período em que dezenas de militantes opositores foram torturadas e mortas.

    A hashtag #DitaduraNuncaMais já é o assunto mais comentado de hoje no Twitter. Há uma mistura de indignação, volta de lembranças do regime ditatorial e crítica à decisão do presidente do Brasil.

    Enquanto há quem veja a data como festa, há quem veja a data como luto.

    ​As marcas do regime militar ainda estão impregnadas em muitos.

    ​Uma internauta postou alguns casos de tortura, que não são "nem 5% de tudo que aconteceu".

    ​Algumas crianças “presas pela ditadura que não aconteceu”.

    ​O Twitter está sendo usado para unir os internautas contra a comemoração.

    ​Internauta diz que até militares estão pedindo para Bolsonaro ir com calma no que diz respeito à celebração, repetindo informação publicada pela Veja.

    ​O jornalista Luis Nassif escreveu sobre realização da "Caminhada do Silêncio" no dia 31 de março.

    ​A deputada federal Joice Hasselmann (PSL) apoia a comemoração, pois, segundo ela, "é a retomada da narrativa de nossa história".

    ​Há quem diga que o regime militar conteve o "comunista João Goulart que queria fazer do Brasil uma Cuba gigante".

    Mais:

    Bolsonaro diz que médicos cubanos são escravos da ditadura
    SBT veicula propaganda com slogan da Ditadura Militar (VÍDEO)
    Metade dos brasileiros crê que há 'alguma chance' de nova ditadura no Brasil, diz pesquisa
    Tags:
    Golpe de 64, ditadura militar, celebração, Jair Bolsonaro, João Goulart, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar