20:24 23 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente de Brasil, Jair Bolsonaro, llega a Chile

    Bolsonaro é alvo de manifestações de repúdio e críticas durante viagem ao Chile

    © REUTERS / Esteban Garay
    Brasil
    URL curta
    18347
    Nos siga no

    O presidente brasileiro Jair Bolsonaro está no Chile para participar nesta sexta-feira na primeira cúpula dos presidentes do novo bloco regional Prosul e uma série de atividades oficiais, mas sua visita provocou ampla rejeição pela oposição local.

    "Demonstrações das ideias de Bolsonaro obviamente tem consequências na sua capacidade de conduzir a política externa. Como você poderia exigir de parentes ou vítimas de violações dos direitos humanos no Chile, que fará uma homenagem a alguém que disse que Augusto Pinochet (1973-1990) não matou pessoas?", criticou o deputado da Frente Ampla, Giorgio Jackson, através de sua conta no Twitter.

    Nesta sexta-feira acontece a cúpula dos líderes do Prosul, que reúne sete chefes de Estado da região para refinar os detalhes da formação deste novo bloco.

    O deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente eleito Jair Bolsonaro,
    © Foto / Paola de Orte/Agência Brasil

    Estão presentes os presidentes Mauricio Macri, da Argentina; Jair Bolsonaro, do Brasil; Sebastián Piñera, do Chile; Iván Duque, da Colômbia; Lenín Moreno, do Equador; Mario Abdo Benítez, do Paraguai, e Martín Vizcarra, do Peru.

    A Bolívia, a Guiana, o Suriname e o Uruguai são representados por seus chanceleres ou outros funcionários diplomáticos.

    Em paralelo ao evento oficial, a oposição chilena organizou um ato para expressar sua rejeição à visita do presidente brasileiro, que vai ficar no Chile até sábado participando de uma série de atividades oficiais.

    A oposição criticou que o Chile receba "alguém que defende a tortura, oprimir a comunidade homossexual e ataca as mulheres", como informou o bloco de esquerda Frente Ampla em uma carta de protesto foi entregue ao Executivo, solicitando que Bolsonaro seja declarado como "persona non grata no Chile".

    Almoço

    O primeiro grande sinal de rejeição contra o presidente brasileiro foi manifestada pelas direções do Congresso chileno no início da semana, quando o presidente do Senado, Jaime Quintana, e o presidente da Câmara dos Deputados, Iván Flores, se recusaram a participar de um almoço que o governo do Chile oferecerá a Bolsonaro neste sábado.

    Depois disso, a maioria dos parlamentares e líderes da oposição decidiu não participar deste almoço, no qual alguns têm apontado que, possivelmente, "o governo do Chile vai comemorar o aniversário de Bolsonaro (era 21 de março), e não vamos lá cantar feliz aniversário".

    Este mesmo almoço gerado outra polêmica quando a deputada da Frente Ampla, Maite Orsini, relatou o convite oficial do governo para participar do almoço, no qual as mulheres foram convidadas a ir de "vestido curto".

    "Não só o governo do Chile decide receber com honras presidente xenófobo e machista, mas também pede que as deputadas da República sejam convidadas a ir de 'vestido curto'. Este é o Sebastián Piñera que disse acolher reivindicações feministas, mas envia convite oficial que parece ser de 1800", afirmou a deputada.

    Manifestações

    Na tarde desta sexta-feira a Juventude Comunista do Chile realiza uma marcha para protestar contra a visita do presidente Bolsonaro, chamada também foi respondido pela Frente Ampla, organizações feministas, a Confederação de Estudantes do Chile, a Associação das Vítimas de Execuções Políticas, o Coordenador Nacional de Migrantes e vários grupos sociais.

    Por sua vez, as organizações que defendem os direitos da diversidade sexual, como o movimento de homossexual Integração e Libertação (MOVILH), realizam uma marcha neste sábado em Santiago, acusando Bolsonaro para "humilhar e denegrir as diversidades".

    Finalmente, no domingo será realizado em Santiago o Concerto pelo Direito de Viver em Paz, em que uma série de artistas serão apresentados para rejeitar o bloco regional Prosul, em particular a visita de Bolsonaro ao Chile e intervencionismo na Venezuela.

    O Prosul é uma iniciativa regional promovida principalmente pelos presidentes Piñera e Duque, cujo principal objetivo é substituir a atual União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

    Mais:

    Em pleno aniversário de Jair Bolsonaro, opositores preferem parabenizar Twitter
    Presidentes do Senado e da Câmara chilenos recusam almoço com Bolsonaro
    Aprovação de governo Bolsonaro cai 15 pontos e marca 34%, diz Ibope
    Tags:
    mulheres, direitos humanos, machismo, críticas, protestos, manifestações, relações bilaterais, diplomacia, Prosul, Giorgio Jackson, Augusto Pinochet, Maite Orsini, Iván Flores, Jaime Quintana, Sebastián Piñera, Jair Bolsonaro, Brasil, Santiago, Chile
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar