05:41 23 Março 2019
Ouvir Rádio
    Vista aérea do desastre após rompimento de barragem perto de Brumadinho, Minas Gerais, Brasil, 25 de janeiro de 2019

    Justiça de MG volta a determinar a prisão de envolvidos na tragédia de Brumadinho

    © AP Photo / Bruno Correia/Nitro via AP
    Brasil
    URL curta
    0 11

    A Justiça de Minas Gerais ordenou nesta quarta-feira a prisão de empregados e contratados da Vale S/A que trabalharam para a auditoria alemã Tuv Sud e foram acusados pelo rompimento de uma represa em janeiro que matou centenas de pessoas, segundo um comunicado do tribunal.

    Os 11 funcionários da Vale e dois engenheiros da Tuv Sud que avaliaram a estabilidade da barragem em Brumadinho, em Minas Gerais, foram liberados por uma ordem judicial em 5 de fevereiro.

    O desastre em Brumadinho matou mais de 300 pessoas e 108 ainda não foram encontradas. Nenhum administrador sênior teve a sua prisão ordenada pela Justiça mineira. A Vale suspendeu temporariamente seu diretor executivo, Fabio Schvartsman, o chefe de metais ferrosos, Peter Poppinga, e os executivos Lucio Cavalli e Silmar Silva.

    Em comunicado, a Vale afirmou que as prisões são "desnecessárias, já que os funcionários e contratados já deram depoimentos às autoridades". Todos os funcionários que foram presos foram suspensos de seus empregos, acrescentou a empresa.

    Já a Tuv Sud se recusou a comentar.

    Mais:

    Brumadinho: mais da metade do Rio Paraopeba está morto, diz SOS Mata Atlântica
    Brumadinho: o que fez da gigante mineradora Vale uma bomba relógio?
    CEO da Vale diz que empresa é 'joia brasileira' e não pode ser condenada por Brumadinho
    Tags:
    meio ambiente, mineração, barragem Mina do Feijão, rompimento de barragem, Tuv Sud, Vale, Silmar Silva, Lucio Cavalli, Peter Poppinga, Fabio Schvartsman, Minas Gerais, Brumadinho, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar