09:29 23 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    O governador Wilson Witzel toma posse na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) .

    Presos por morte de Marielle podem fazer delação premiada, diz Witzel

    © Foto / Tomaz Silva/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    210
    Nos siga no

    Foi realizada nesta terça-feira (12) a Operação Lume, que prendeu o policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz, suspeitos pelo assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

    O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, realizou uma entrevista coletiva acompanhado do secretário de Polícia Civil, Marcus Vinícius Braga, e de delegados da Delegacia de Homicídios (DH), para prestar esclarecimentos da operação que prendeu os suspeitos pela morte de Marielle e Anderson.

    De acordo com o governador, o policial reformado, Ronnie Lessa, e o ex-policial militar, Élcio Queiroz, suspeitos de matar Marielle Franco, podem fazer uma delação premiada. 

    “Uma segunda fase da investigação poderá vir a ocorrer. Primeiro, falei para [a polícia] encerrar com o que tem. A Lava-Jato nos ensinou que investigação deve ser fragmentada. Quem foi preso hoje pode certamente pensar numa delação premiada", afirmou Witzel, ao falar sobre os possíveis desdobramentos da investigação.

    "É uma resposta importante que nós estamos dando para a sociedade: a elucidação de um crime bárbaro cometido contra uma parlamentar, uma mulher, no exercício de sua atividade democrática. Teve sua vida ceifada de forma inaceitável. Mas muito mais ainda inaceitável porque estava exercendo seu mandato”, acrescentou Witzel.

    ​Nas redes sociais, internautas destacaram o registro da campanha eleitoral do governador em que ele aparece em cima do palanque no momento em que um homem quebrava a placa com o nome de Marielle Franco. 

    Já o titular da Delegacia de Homicídios, Giniton Lages, classificou o crime como "muito complexo". 

    "Sabíamos de cara o nível da sofisticação do crime. Eles não deixaram o carro por duas horas. Isso nos chamou a atenção de cara. Alcançamos três testemunhas presenciais. Foi um crime que foge à regra. 80% dos crimes são elucidados com testemunho. No caso Marielle Anderson não há essa possibilidade, pois eles não deixaram o veículo", afirmou. 

    Mais:

    Mãe de Marielle diz que resposta é incompleta: 'é preciso saber quem mandou matar'
    Polícia prende suspeitos pelo homicídio de Marielle e do motorista Anderson
    Mangueira reescreve história do Brasil e homenageia Marielle na Sapucaí
    Caso Marielle: PF faz buscas e apreensões no Rio e caso pode voltar à estaca zero
    Tags:
    delação premiada, investigação, assassinato, Marielle Franco, Wilson Witzel, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar