03:42 17 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Balei morta em floresta

    Biólogos tentam desvendar morte de baleia que surgiu na Amazônia (FOTOS, VÍDEO)

    © Foto : bicho_dagua/Instagram
    Brasil
    URL curta
    14293

    Biólogos tentam desvendar a misteriosa aparição de uma baleia-jubarte na floresta amazônica.

    A carcaça da baleia foi encontrada em uma área florestal na Amazônia, no litoral do município de Soure, na ilha de Marajó. A baleia-jubarte — de 11 metros de comprimento e 6 metros de largura — não possuía ferimentos, o que está intrigando biólogos, segundo autoridades locais.

    "O mamífero é uma das maiores espécies de baleias existentes", afirmou a secretária de meio ambiente do município, Dirlene Silva ao Maritime Herald, ressaltando que a carcaça foi encontrada em um local de difícil acesso e não poderá ser removida.

    Biólogos da ONG Bicho D'água e do Museu Emílio Goeldi, de Belém, estão investigando e tentando encontrar a possível causa da morte da grande baleia.

    Para isso, uma equipe de 13 profissionais mediu a baleia, colhendo partes do mamífero para realizar a necropsia, já que essas partes serão enviadas para laboratórios de Belém e do Rio de Janeiro, onde a provável causa da morte da baleia deve ser descoberta, segundo o portal G1.

    "Eles estão indo fazer a necropsia. A olho nu, não há ferimentos. Então, precisamos entender a causa da morte da baleia", afirmou Dirlene Siva, ressaltando que o animal provavelmente estava morto há 3 ou 4 dias e, devido a isso, já estava em estado de decomposição.

    Dirlene complementou dizendo que a equipe pretende utilizar a estrutura óssea do animal para estudos, mantendo essa estrutura em um museu da região.

    Mais:

    Tubarões, pinguins, golfinhos, albatrozes e baleia se unem para comer
    Tubarão se banqueteia com carcaça flutuante de baleia no Havaí
    Baleia azul perde 1º lugar de grandiosidade para ser vivo milenar de 440 toneladas
    Tags:
    misterioso, baleias, mistério, Floresta Amazônica, descoberta, Amazônia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar