09:05 16 Julho 2019
Ouvir Rádio
    O presidente Jair Bolsonaro acena para os fotógrafos no Palácio do Planalto

    Sem militares e de olho na economia, Bolsonaro apresenta projeto de Reforma da Previdência

    © Foto : José Cruz/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    1219

    O presidente Jair Bolsonaro (PSL) entregou nesta quarta-feira ao Congresso Nacional o seu plano de reforma previdenciária, com o objetivo de economizar mais de R$ 1 trilhão ao longo de uma década, alterando as taxas de impostos, atrasando a aposentadoria e criando contas individuais de poupança.

    Assim como já se sabia desde a semana passada, a idade mínima para homens foi fixada em 65 anos, enquanto ficou em 62 anos para mulheres. Pela proposta entregue ao Legislativo nacional, a aplicação só acontecerá depois de 12 anos de transição.

    A Reforma da Previdência vai abranger os trabalhadores do setor privado, que estão no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), e os servidores públicos – as alíquotas de contribuição serão unificadas.

    Contudo, os militares foram deixados de fora, conforme Bolsonaro já havia indicado ainda em janeiro, em Davos, na Suíça. Segundo o governo, um projeto para reforma previdenciária para eles – incluindo policiais militares e bombeiros – será enviado ao Congresso em até 30 dias.

    Outro detalhe que não consta na proposta apresentada nesta quarta-feira diz respeito ao regime de capitalização, quando cada trabalhador financia a sua própria aposentadoria com depósitos em uma conta individual. De acordo com a equipe econômica, os detalhes de como isso seria implementado serão apresentados em breve.

    A proposta de reforma da seguridade social é a pedra angular do plano de Bolsonaro de fechar o que as agências de classificação afirmam ser um déficit público insustentável e reforçar uma recuperação econômica lenta, cortando despesas e aumentando receitas.

    Sua meta de poupança é muito mais ambiciosa do que os cerca de R$ 600 bilhões em uma década proposta pelo antecessor de Bolsonaro, Michel Temer (MDB), que acabou desistindo da iniciativa impopular.

    "Mudanças demográficas significam que precisamos mudar as regras. O sistema atual é insustentável", disse o secretário de Previdência, Leonardo Rolim, a jornalistas em Brasília.

    Uma proposta de emenda constitucional que Bolsonaro apresentou aos líderes do Congresso economizaria R$ 1,072 trilhão em uma década, de acordo com uma apresentação do Ministério da Economia.

    Propostas de mudanças nas aposentadorias militares, que o governo prometeu entregar dentro de 30 dias, trariam economias de R$ 1,15 trilhão em 10 anos.

    A economia viria de contribuintes mais ricos, contribuindo com mais e maiores idades de aposentadoria e um novo sistema de contas de poupança individuais, dando aos trabalhadores "uma alternativa ao sistema atual", de acordo com a apresentação do ministério.

    Mais:

    'Crescimento exagerado' da previdência e recessão quebraram Estados, diz economista
    Reforma da Previdência de Bolsonaro pode ser mais ‘radical' que a de Temer, diz jornal
    Reforma da previdência pode ser um caminho para acabar com privilégios no Brasil?
    Tags:
    pensões, aposentadoria, reforma da previdência, austeridade, economia, militares, Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Congresso Nacional, Leonardo Rolim, Paulo Guedes, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar