21:28 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Presidente Eleito Jair Bolsonaro em entrevista no CCBB em Brasília

    Precaução faz Bolsonaro ter alta adiada após elevação da temperatura no hospital

    Fotos Públicas / Wilson Dias / Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    431

    O presidente Jair Bolsonaro (PSL) teve a sua alta adiada após um episódio de elevação de temperatura, informou o porta-voz do governo, Otávio Rêgo Barros, no final da tarde desta segunda-feira (4).

    Internado desde o dia 27 de janeiro para a cirurgia de retirada de uma bolsa de colostomia e a ligação entre o intestino delgado e parte do intestino grosso, o presidente enfrentou um episódio de elevação da temperatura e passou a tomar antibióticos.

    Assim, a equipe médica do hospital Albert Einstein decidiu pela manutenção da sua internação por mais uma semana, por precaução.

    Segundo um boletim médico, após a elevação da temperatura e alteração de exames laboratoriais, "foi iniciado antibioticoterapia de amplo espectro e realizados novos exames de imagem. Identificou-se uma coleção líquida ao lado do intestino na região da antiga colostomia. Foi submetido à punção guiada por ultrassonografia e permanece com dreno no local. Está no momento sem dor, afebril, em jejum oral, com sonda nasogástrica e nutrição parenteral exclusiva".

    "[Bolsonaro] já apresenta movimentos intestinais e teve dois episódios de evacuação. Segue realizando exercícios respiratórios e de fortalecimento muscular no quarto. Por ordem médica, as visitas permanecem restritas", acrescentou o boletim assinado pelos médicos Antônio Luiz Macedo, cirurgião; Leandro Echenique, cardiologista; e Miguel Cendoroglo, diretor Superintendente do Hospital Israelita Albert Einstein.

    Mais cedo, o presidente publicou na sua página no Twitter um vídeo de sua fisioterapia, utilizando uma bicicleta elevada.

    Em entrevista coletiva, Rêgo Barros detalhou o quadro médico e revelou que, apesar de ter de permanecer no hospital por mais tempo, Bolsonaro está de bom humor.

    "A evolução do presidente é esperada pelos médicos. Ele fez uma continência para mim enquanto fazia esse procedimento, isso já indica o estado de ânimo do presidente. É um homem que está lutando com sua vida para governar o país", declarou.

    Mais:

    Caso Queiroz: Bolsonaro ganhará se agir como Abraão e 'sacrificar filho', avalia analista
    Ex-assessor de Trump escolhe filho de Bolsonaro como líder de movimento mundial de direita
    1º mês de vaivém: Bolsonaro coleciona recuos e desistências em declarações e nomeações
    Pesadelo x à deriva: 1º mês de Bolsonaro dá choque de realidade e expõe rachas no governo
    Tags:
    facada, alta, política, cirurgia, Hospital Albert Einstein, Otávio Rêgo Barros, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar