12:08 22 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Senadora Kátia Abreu tirou da Mesa a pasta com o roteiro de condução da sessão do senador Davi Alcolumbre que preside a votação para escolha do novo presidente do Senado.

    Após confusão e impasse, eleição para presidência do Senado é adiada

    Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    452

    Após longa sessão repleta de confusões, a eleição para a presidência do Senado foi adiada para as 11h do sábado (2). Presidida por um dos prováveis candidatos à liderança da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), a sessão teve tumultos, troca de insultos entre os senadores que divergiam sobre o voto aberto e sobre a presidência de Alcolumbre na sessão.

    A sessão desta sexta-feira (1), logo após a posse dos senadores, pretendia eleger o presidente da Casa pelo biênio 2019-2020. O principal candidato à cadeira era o veterano Renan Calheiros (MDB-AL). Considerado um símbolo da "velha política", Calheiros tinha em torno de sua candidatura uma polêmica utilizada por opositores para articular uma votação aberta para a presidência do Senado. O presidente da sessão chegou a realizar uma votação nesse sentido, em que o voto aberto venceu por 50 votos a 2.

    Daí em diante, intensificaram-se os tumultos em torno da legitimidade de Alcolumbre para presidir a sessão. Uma ala defendia que o candidato não podeira ser presidente da sessão do Senado por conflitos de interesse e com o regimento do Senado, uma vez que ele seria um dos candidatos à presidência do Senado, ameaçando o favoritismo de Calheiros.

    Em um dos momentos de maior tensão durante a sessão, a senadora Kátia Abreu (PDT-TO) foi até a mesa do presidente da sessão e lhe tomou a pasta onde constavam as questões de ordem pendentes. Ela e outros senadores contestavam a legitimidade de Alcolumbre para presidir a sessão.

    Indignado com os gritos e com a confusão, o senador senador Jayme Campos (DEM-MT) comparou a cena com uma "briga de lavadeiras em beira de córrego". O senador Jorge Kajuru (PSB-GO) também fez comparações jocosas, dizendo que aquilo estava pior que um "Boca Júniors x River Plate", referindo-se ao maior clássico do futebol argentino, conhecido pela tensão em campo e entre as torcidas.

    A senadora Kátia Abreu permaneceu ao lado do presidente ao longo da sessão e chegou a ser tratada por Renan Calheiros (MDB-AL) como estando na presidência dos trabalhos. A sessão foi suspensa após votação simbólica em que os senadores presentes decidiram adiar a discussão para a manhã do sábado (2).

    Como parte do acordo firmado após as propostas apresentadas pelos senadores, a sessão será retomada com a presidência de José Maranhão (MDB-PB), sob a promessa de permanência da votação aberta.

    Nesta sexta-feira (31), correu normalmente a eleição para a presidência da Câmara dos Deputados, vencida pela terceira vez consecutiva pelo deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ).

    Mais:

    1º mês de vaivém: Bolsonaro coleciona recuos e desistências em declarações e nomeações
    Pesadelo x à deriva: 1º mês de Bolsonaro dá choque de realidade e expõe rachas no governo
    Bolsonaro deixa a UTI após cirurgia e passará a despachar de dentro do hospital
    Senador dos EUA cobra aliança Trump-Bolsonaro contra 'más intenções' de Rússia e China
    Tags:
    Senado Federal, MDB, PSB, PDT, DEM, Senado Federal, Câmara dos Deputados, Jayme Campos, José Maranhão, Jorge Kajuru, Davi Alcolumbre, Rodrigo Maia, Kátia Abreu, Renan Calheiros
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar