19:25 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Hamilton Mourão e Jair Bolsonaro.

    Impasse sobre embaixada em Israel mostra disputa dentro do governo, diz pesquisador

    © AP Photo / Eraldo Peres
    Brasil
    URL curta
    22266

    A relação do Brasil com o Oriente Médio ganhou mais um novo capítulo nessa semana. O presidente em exercício, Hamilton Mourão (PRTB), recebeu nesta segunda-feira (28) o embaixador palestino e disse que "por enquanto" o Brasil não mudará sua embaixada em Israel para Jerusalém.

    A transferência é uma promessa de campanha de Jair Bolsonaro (PSL), e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, chegou a afirmar após reunião no Rio de Janeiro com o político do PSL que a mudança era apenas uma questão de data.

    Apesar da promessa, Mourão teve reunião com o embaixador da Palestina no Brasil, Ibrahim Alzeben.

    "A resposta que eu dei para eles é uma resposta de Estado, né? O Estado brasileiro, por enquanto, não está pensando em nenhuma mudança de embaixada", disse o presidente em exercício após o encontro.

    Ainda assim, Mourão ressaltou que a decisão final cabe a Bolsonaro.

    Para David Magalhães, professor de relações internacionais da PUC-SP e da FAAP, o recuo demonstra uma disputa dentro do próprio governo: "O que vemos hoje no governo Bolsonaro é a disputa de uma ala pragmática, que são os militares, com uma ideológica, que é o movimento anti-globalista."

    Segundo Magalhães, o próprio Mourão não mantém boas relações com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e tem preferência por uma figura "economicamente mais liberal" para ocupar o Itamaraty.

    Araújo, discípulo do guru Olavo de Carvalho, já foi alvo de críticas públicas de Mourão. Em entrevista à revista Época, o vice-presidente disse que o chanceler "não falou o que pretende fazer".

    "Vai todo mundo virar israelense desde criancinha? Vai todo mundo virar fã dos americanos de qualquer jeito? A diplomacia são métodos e objetivos, não um fim. É preciso inserir conceitos claros, não interferir em assuntos de outros países. E ainda não está claro", disse Mourão.

    Quebra de tradição diplomática

    David Magalhães também ressalta que, caso o Brasil efetive a transferência da embaixada para Jerusalém, estaria apoiando o "sepultamento" da solução dos dois estados — que consiste na coexistência pacífica de um estado palestino e Israel.

    Segundo o professor da PUC e da FAAP, o Brasil apoia a solução de dois estados "pelo menos" desde o governo de Costa e Silva, em 1967. E quebrar essa tradição terá efeitos colaterais, como possível fechamento do importante mercado do Oriente Médio para as exportações de carne brasileira.

    Mais:

    Planalto: Bolsonaro deverá ter alta médica em 10 dias
    Gestão da energia nuclear no governo Bolsonaro preocupa a Argentina, afirma jornal
    Bolsonaro deu sinal verde para proposta que quer liberar porte de armas, diz jornal
    Putin presta condolências a Bolsonaro pela tragédia em Brumadinho
    Tags:
    Antonio Hamilton Mourão, Jair Bolsonaro, Palestina, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar