09:20 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Helicópteros dos Bombeiros sobrevoando área depois do rompimento de barragem em Brumadinho (MG)

    'Se nada for feito, tragédia vai se repetir', diz professor da USP sobre Brumadinho

    © AP Photo / Andre Penner
    Brasil
    URL curta
    Mar de lama varre Brumadinho após explosão de barragem (56)
    12112
    Nos siga no

    A história se repetiu em Minas Gerais. A barragem Mina do Feijão rompeu e despejou 12 milhões de metros cúbicos de lama em Brumadinho. Já são 60 mortos confirmados e 291 pessoas seguem desaparecidas. A Sputnik Brasil entrevistou dois especialistas para entender o episódio.

    Para o engenheiro ambiental e professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro David Zee, a responsabilidade pelo episódio "não é de um ator só". Ele ressalta que o incidente mostra que é necessário uma "revisão completa" nas normas técnicas de barragens.

    A barragem de Mina do Feijão não estava em situação de risco, de acordo com a Agência Nacional de Águas, e passou por inspeção em setembro de 2018 por uma empresa alemã — que não encontrou nenhum problema.

    Zee diz ter uma "suspeita" de que as chuvas podem ter influência no colapso da barragem já que elas contribuem para alterar o peso que precisa ser contido. Ele faz uma previsão para a região:

    "O primeiro impacto é a total descaracterização do relevo do local. Era um local de escoamento de água, agora solapou com os sedimentos e mudou o curso dos rios por onde passou. Outra coisa é a vegetação natural que foi totalmente arrasada, isso para não falar da infraestrutura humana que existia naquela região", diz o professor da Uerj à Sputnik Brasil.

    A barragem em Brumadinho utilizava uma das técnicas mais baratas para estocar os rejeitos do processo de mineração. O método utilizado é conhecido como "a montante" e consiste em empilhar os rejeitos em camadas em um vale.

    É a mesma técnica empregada na barragem de Fundão, em Mariana, que rompeu em 2015 e causou 19 mortes e o vazamento de mais de 43 milhões de metros cúbicos de rejeitos. O material contaminou o Rio Doce e chegou até o Oceano Atlântico.

    Uma lei que pretende proibir as barragens a montante, além de estabelecer regras mais rígidas para a mineração, está parada na Assembleia Legislativa de Minas Gerais há mais de um ano, indica reportagem da BBC Brasil.

    "Se nada for feito, tragédia vai se repetir"

    O professor Wagner Ribeiro, do departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP), acredita que o incidente de Brumadinho era uma "tragédia anunciada" e que pode se repetir caso não ocorra uma revisão drástica de "todos os procedimentos de vigilância e os critérios de avaliação de risco".

    Ribeiro diz que o episódio de Mariana ensinou "muito pouco" e que já sabe o "o que não fazer" com as vítimas: "no caso de Mariana foi criada uma fundação, a Renova, que praticamente tirou a Vale da interlocução junto às comunidades. Tem gente que até hoje não recebeu nenhum tipo de indenização".

    O professor da USP também ressalta que a política ambiental não é ideológica, mas objetiva: "Quando falamos de falta de água, aquecimento global, estamos falando de problemas reais e concretos, situações que a ciência mostra".

    O presidente Jair Bolsonaro (PSL) chegou a afirmar durante a campanha que pretendia acabar com o "ativismo ambiental xiita". Já eleito, disse que existe uma "indústria da multa" ambiental e que "o governo é especialista em perseguir quem trabalha no Brasil".

    Levantamento da Folha de S. Paulo mostra que o Brasil tem 24 mil barragens — mas apenas 3% delas já foram vistoriadas. Além disso, 42% das barragens não têm qualquer tipo de regularização legal como autorização ou outorga. 

    Tema:
    Mar de lama varre Brumadinho após explosão de barragem (56)
    Tags:
    Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar