06:35 21 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    O deputado Jean Wyllis participa da abertura da Semana da Anistia 2015.

    'Esse ambiente não é seguro': ameaças fazem Jean Wyllis largar mandato e deixar o Brasil

    Wilson Dias / Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    37163
    Nos siga no

    Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo publicada nesta quinta-feira (24), o deputado federal eleito pelo PSOL do Rio de Janeiro, Jean Wyllis, anunciou que não assumirá novo mandato. Wyllis foi eleito em 2018 com 24.295 mil votos.

    O deputado eleito já está fora do Brasil e afirmou ao jornal que não tem intenções de retornar, dizendo também que pretende se dedicar à carreira acadêmica a partir de hoje.

    Wyllis vive com escolta policial há quase um ano, o que teve início após a morte da vereadora carioca, Marielle Franco, assassinada a tiros na capital do estado em março de 2018.

    Segundo a publicação, o número de ameaças de morte contra o deputado eleito se intensificou, e a escalada de medo em decorrências das ameaças frequentes o fez decidir por não assumir o novo mandato.

    "Esse ambiente não é seguro para mim", declarou durante a entrevista, dizendo que o as recentes descobertas de ligações entre Flávio Bolsonaro e milicianos do Rio de Janeiro pesaram sobre a decisão. Ele lembrou que o atual presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, pai de Flávio, já o "insultou de maneira aberta", apontando homofobia. E que essa ligação da família de Bolsonaro o "apavora".

    ​Wyllis foi o primeiro deputado federal assumidamente homossexual e o primeiro a liderar a defesa por direitos LGBT na Câmara dos Deputados. Ao longo de sua atuação na política foi alvo frequente de ataques e ameaças, e venceu ao menos cinco processos por calúnia e difamação.

    Tags:
    crise política, Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), Folha de São Paulo, Jean Wyllis, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar