07:49 22 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Gisele Bündchen

    Mau brasileiro é o que desmata, diz Gisele Bundchen em resposta à ministra da Agricultura

    United Nations Development Programme
    Brasil
    URL curta
    10135
    Nos siga no

    Uma bate-boca de alto nível entre a supermodelo Gisele Bundchen e a ministra da Agricultura do Brasil sobre o desmatamento aumentou nesta semana, com os ativistas se preocupando com as políticas ambientais do novo presidente Jair Bolsonaro.

    A modelo brasileira respondeu às críticas da ministra da Agricultura, Tereza Cristina Dias, argumentando que, apesar da existência de áreas preservadas, o desmatamento na Floresta Amazônica está aumentando.

    A carta, revelada pela Agência Reuters nesta quinta-feira, desafiou Dias a mostrar progresso em direção à sustentabilidade, dizendo: "Terei muito prazer em anunciar ações positivas que sejam tomadas nessa direção".

    Dias criticou Bundchen em um programa de rádio na segunda-feira por "dizer coisas ruins sobre o Brasil sem conhecer os fatos" e chamar o país de um desmatador. Dias disse que o modelo deveria destacar as conquistas na preservação.

    Bundchen, que é casada com o astro do futebol americano Tom Brady, respondeu no Twitter na quarta-feira, mas não citou Dias nem o Ministério da Agricultura. Ela está envolvida em causas ambientais desde 2006 e sempre busca mais conhecimento por meio da "leitura e contato com cientistas, pesquisadores, agricultores, cooperativas e organizações ambientais", twittou.

    Em sua carta, Bundchen contra-argumentou o argumento de Dias de que o Brasil preservou dois terços de sua vegetação nativa, citando dados do governo mostrando que o desmatamento da Amazônia está em alta. O desmatamento da Amazônia subiu 13,7% nos 12 meses até julho de 2018, para o ponto mais alto em uma década.

    Dias disse que as pessoas que divulgam uma imagem falsa do Brasil no exterior são "más brasileiras", mas Bundchen disse que os desmatadores ilegais são os verdadeiros brasileiros maus.

    Os ativistas estão preocupados que o Bolsonaro, o novo presidente de direita do país que assumiu este mês, favoreça os interesses de empresas e fazendas sobre as proteções ambientais existentes.

    Bolsonaro sugeriu que o Brasil poderia sair do Acordo de Paris sobre mudança climática e um de seus primeiros movimentos como presidente foi transferir poderes do Ministério do Meio Ambiente para o Ministério da Agricultura e outras agências.

    A Amazônia, a maior floresta tropical do mundo, absorve grandes quantidades de gás de efeito estufa e sua preservação é vista como vital para a luta contra a mudança climática.

    "Eu vejo a preservação da natureza não apenas como um dever ambiental legal, mas também como uma maneira de assegurar a água, a biodiversidade e as condições climáticas essenciais para a produção agrícola", escreveu Bundchen.

    Mais:

    Fazendeiro usa antigas receitas espanholas para salvar flora da Amazônia
    O Brasil tem poder de fogo para proteger a riqueza da Amazônia Azul? (FOTO, VÍDEO)
    Preservação da Amazônia: políticas ambientais de Bolsonaro geram 'imprevisibilidade'
    'Capital dos Piratas': Coari vira base do PCC na Amazônia na luta pelas rotas do tráfico
    Tags:
    desmatamento, floresta, preservação, meio ambiente, Acordo de Paris, Ministério da Agricultura do Brasil, Tereza Cristina Dias, Gisele Bündchen, Amazônia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar