00:21 16 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Congresso Nacional

    'Crescimento exagerado' da previdência e recessão quebraram Estados, diz economista

    © REUTERS / Ueslei Marcelino
    Brasil
    URL curta
    703
    Nos siga no

    Em situação financeira delicada, os estados deixarão de pagar cerca de R$ 154 bilhões ao Governo Federal até 2022. No sentido contrário, Brasília já ofereceu pacotes de ajuda com R$ 80,7 bilhões aos estados.

    Os dados são do Valor Econômico e a Sputnik Brasil falou com o consultor Raul Velloso para entender o quadro das contas públicas. Velloso é doutor em economia pela universidade de Yale, nos Estados Unidos.

    "Os estados estão em uma crise muito difícil, que foi agravada em todos eles pela maior recessão de nossa história. Havia uma previsão de amortizar um pedaço expressivo da dívida nesses últimos anos, coisa que não foi possível para eles fazerem."

    Para Velloso, o Governo Federal deveria ter se antecipado aos estados — que levaram pedidos de refinanciamento de dívidas e adiamento de parcelas ao Supremo Tribunal Federal (STF). Rondônia, por exemplo, ganhou no STF, o direito de parcelar em 24 vezes o pagamento de uma dívida de R$ 120 milhões.

    O economista acredita que o "crescimento exagerado" do gasto previdenciário e a "pior recessão" econômica da história do Brasil são os fatores que explicam o déficit no orçamento dos estados. 

    Mais:

    Flávio Bolsonaro promete explicar movimentação financeira do assessor ao MP
    Fórum Econômico Mundial terá protestos contra Bolsonaro e Trump
    Aliado de Bolsonaro, líder da Hungria promete 'combater' Macron na UE
    Agenda de Bolsonaro já influencia governo Macri na Argentina, diz mídia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar