14:44 01 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    17194
    Nos siga no

    O novo governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, prometeu mais uma vez nesta quinta-feira tratar como terrorista todo criminoso que portar fuzil, informou Agência Brasil.

    O político discursou durante a posse do secretário de Polícia Militar, Rogério Figueredo, no Batalhão de Polícia de Choque (BPChq). Witzel prometeu que a polícia vai ampliar o enfrentamento contra o crime organizado na capital e em todo o estado, bem como prometeu que esse combate será feito de "forma muito dura".

    "Tenho dito ao longo da minha campanha: quem usa um fuzil e não está envergando um uniforme é inimigo. Quem usa um fuzil e quer dominar um território é um terrorista, e assim será tratado", declarou Witzel.

    Flávio Nantes Bolsonaro, do Partido Social Liberal (PSL), deputado estadual do Rio de Janeiro, em imagem de 15 de dezembro de 2014, na Alerj
    Rafael Wallace/ Alerj / http://fotospublicas.com/tre-rio-de-janeiro-conclui-processo-eleitoral-com-diplomacao-dos-eleitos/
    O governador afirmou que a Defensoria Pública será colocada à disposição da tropa. O objetivo disso será deixar claro o apoio aos policiais envolvidos em casos de mortes. 

    "A Defensoria Pública do estado vai estar de forma intransigente ao lado de todo e qualquer policial que, no exercício de sua atividade, precisar de defesa judicial", prometeu ele. 

    "Não temam. O estado estará junto com os senhores para protegê-los e defendê-los em qualquer instância. Não temam, ajam, treinem e executem a sua missão com tranquilidade. Vocês serão defendidos", concluiu.

    Mais:

    Candidato do PDT anuncia apoio a Wilson Witzel no RJ
    Cerimônia marca fim da intervenção federal no Rio de Janeiro
    'Como um câncer': milícias do Rio crescem e controlam áreas da cidade
    Após passeio com Homem-Aranha na Ponte Rio-Niterói, Capitão América termina na delegacia
    Forças Armadas realizam operações em 23 bairros do Rio de Janeiro
    Caso Marielle: Jungmann defende que investigação fique com autoridades do Rio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar