00:29 24 Janeiro 2019
Ouvir Rádio
    Ministro da Economia do governo Bolsonaro, Paulo Guedes

    'Não sou superministro': Paulo Guedes assume economia de Bolsonaro e prevê corte de gastos

    © Foto : Fernando Frazão/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    925

    O novo ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, prometeu nesta quarta-feira cortar gastos públicos, cujo crescimento descontrolado definiu como o maior problema do país.

    "O diagnóstico é muito simples: a falta de controle sobre a expansão dos gastos públicos é o maior mal", disse Guedes em sua posse, na qual ressaltou que existem reformas estruturais que devem ser realizadas o mais rápido possível, incluindo a do sistema previdenciário.

    Guedes criticou o atual Estado brasileiro porque "gasta muito e gasta mal", agindo "como se não houvesse amanhã". Segundo o novo ministro da Economia, isso supõe cerca de US$ 100 bilhões de dólares anuais.

    O novo ministro declarou que se o governo conseguir que o Congresso Nacional aprove a reforma do sistema previdenciário para deter o déficit público, haverá "10 anos" de crescimento sustentável à frente.

    Caso contrário, ele advertiu que a situação será tão séria que obrigará os parlamentares a modificar a Constituição para fazer um "pacto federativo", rever os gastos obrigatórios e realizar reformas estruturais ainda mais profundas.

    Guedes prometeu também abrir a economia brasileira, que em sua opinião está fechada há quatro décadas, além de simplificar os impostos, eliminar a burocracia, privatizar as empresas estatais e gerar um melhor ambiente de negócios.

    "O Brasil não será mais o paraíso do rentista e do inferno do empreendedor", pontuou Guedes, mas ressaltou que para realizar sua tarefa será necessário o apoio dos três poderes e da imprensa. "Não há superministro", ironizou Guedes.

    O responsável pela política econômica do novo governo, seguidor dos preceitos liberais da Escola de Chicago, assegurou que a melhor política de inclusão é a economia de mercado e que não há razões para "angústia" com a nova administração.

    O ministro elogiou a robustez das instituições brasileiras e dedicou inúmeros elogios a Bolsonaro, de quem ele disse que sentiu muita admiração por seu "imenso patriotismo".

    Mercado animado

    O mercado de ações do Brasil disparou nesta quarta-feira com otimismo que o novo presidente e seu governo abalarão a economia moribunda — a maior da América Latina — cortando gastos e dívidas.

    Essas esperanças foram alimentadas pelas declarações do novo ministro da economia de Bolsonaro, Paulo Guedes, de que a reforma do sistema insustentável de pensões do país era o "maior desafio" do governo.

    Guedes lidera o discurso de mudanças que também incluem racionalização fiscal e privatizações.

    O mercado de ações de São Paulo saltou mais de 3,5% durante as negociações de quarta-feira, com a estatal Eletrobras pulando mais de 19,5% das expectativas de que alguns de seus ativos seriam vendidos.

    Mais:

    Paulo Guedes sinaliza pela permanência de Ilan Goldfajn no Banco Central
    Bolsonaro entrega o Brasil em uma 'bandeja de prata' para os EUA, diz Maduro
    Maior parceiro no Oriente Médio, Irã critica Bolsonaro por levar embaixada para Jerusalém
    Datafolha: mais de seis a cada 10 brasileiros acham que era Bolsonaro será ótima ou boa
    Tags:
    déficit, Escola de Chicago, liberalismo, reforma da previdência, rentismo, recessão, economia, Ministério da Economia do Brasil, Paulo Guedes, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik