01:29 21 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Ji Bingxuan, vicepresidente del Comité Permanente de la Asamblea Nacional Popular

    Vice-presidente do Parlamento representa a China na posse de Bolsonaro

    © AFP 2019 / Frederic J. Brown
    Brasil
    URL curta
    431

    O vice-Presidente do Comitê Permanente do Congresso Nacional do Povo da China, Ji Bingxuan, encabeçará a delegação quer participará em 1º de janeiro da posse do presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, informou nesta quinta-feira o Ministério de Relações Exteriores chinês.

    "A convite do governo brasileiro, o vice-presidente do Comitê Permanente do Congresso Nacional do Povo, Ji Bingxuan, será o enviado especial do presidente Xi Jinping e vai viajar a Brasília para participar da cerimônia de posse do presidente Jair Bolsonaro em 1º de janeiro de 2019", informou a porta-voz Hua Chunying.

    A China atribui grande importância ao desenvolvimento das relações com o Brasil a partir de uma "perspectiva estratégica", acrescentou Chunying.

    "Estamos prontos para nos unir ao Brasil para manter e garantir o crescimento contínuo da nossa parceria estratégica global, em um esforço para proporcionar mais benefícios para os dois povos e fazer contribuições devidas para defender os interesses comuns dos países em desenvolvimento, salvaguardar a paz e a estabilidade do país, da região e além", acrescentou.

    A China é o maior parceiro comercial do Brasil e em 2017 foi o principal destino das suas exportações, com 19% do total.

    Além disso, a China é o segundo país em importações para o Brasil com 17%, de acordo com o Observatório da Complexidade Econômica do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (EUA).

    A incerteza ronda o futuro das relações entre as duas nações, uma vez que Bolsonaro foi crítico durante a campanha eleitoral das relações com Pequim. Da sua parte, os chineses já tomaram a iniciativa de romper a resistência do presidente eleito e garantir a continuidade das boas relações.

    Mais:

    Bolsonaro quer mais EUA e menos China, mas realidade tende a se impor, diz analista
    BRICS na era Bolsonaro: Temer revela 'inquietação' de Rússia, China, Índia e África do Sul
    Partido Comunista da China quer se sentar à mesa com PSL de Bolsonaro em Pequim
    Tags:
    comércio, economia, relações bilaterais, diplomacia, posse, Hua Chunying, Jair Bolsonaro, Ji Bingxuan, China, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar