00:28 25 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Médium João de Deus

    Prisão preventiva de médium 'João de Deus' é decretada pela Justiça

    Marcelo Camargo/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    410

    Acusado por cerca de 200 mulheres de abuso sexual, o médium também enfrenta denúncias de pedofilia.

    O Tribunal de Justiça de Goiás atendeu ao pedido do Ministério Público e determinou a prisão preventiva do médium João Teixeira de Faria, mais conhecido como João de Deus. A informação foi confirmada nesta sexta-feira pelo Secretário de Segurança Pública de Goiás, Irapuan Costa Júnior, em entrevista para a TV Anhanguera.

    Segundo Agência Brasil, até quinta-feira, a força-tarefa do Ministério Público estadual para apurar denúncias contra João de Deus recebeu 330 mensagens e telefonemas de mulheres que afirmaram ser vítimas de crimes sexuais praticados pelo médium. Além disso, cerca de 200 acusações já foram feitas à Promotoria.

    Os supostos casos de abuso sexual foram revelados ao público na sexta-feira passada, dia 7, em entrevistas de seis mulheres ao programa Conversa com Bial, da TV Globo.

    João é conhecido mundialmente pela fama de "milagreiro". Ele já foi entrevistado pela famosa apresentadora americana Oprah Winfrey e entre os "pacientes", teve Lula, Dilma, Michel Temer e Ronaldo Fenômeno. O centro espírita onde atende chega a receber 10 mil visitantes mensalmente: mais da metade da população de Abadiânia (GO), onde atende.

    Mais:

    Ministério Público do Chile investiga 119 causas de abuso sexual na Igreja Católica
    Sylvester Stallone está sob investigação por abuso sexual
    ONU treina militares brasileiros para evitar abuso sexual contra refugiados venezuelanos
    ONU diz que recebeu 40 acusações de abuso sexual no último trimestre de 2017
    Suécia pretende tratar problema de abuso sexual infantil com detecção de pornô automática
    Ex-médico da seleção de ginástica dos EUA é condenado a até 175 anos por abuso sexual
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar