16:56 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Total logo

    Ibama nega autorização para franceses extraírem petróleo na Amazônia

    © AP Photo / Jacques Brinon
    Brasil
    URL curta
    770

    O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) anunciou nesta sexta-feira que emitiu uma quinta opinião final se recusando a permitir que a petrolífera francesa Total perfure perto da foz do rio Amazonas.

    O Ibama disse que deu à Total todas as oportunidades para corrigir os problemas levantados durante uma avaliação técnica e informou o grupo francês de sua decisão, motivada pelo desejo de preservar a biodiversidade na área em questão.

    Segundo alguns geólogos, essa região poderia armazenar até 14 bilhões de barris de petróleo, mais do que todas as reservas comprovadas do golfo do México.

    A Total e seus parceiros, a britânica British Petroleum (BP) e a brasileira Petrobras adquiriram cinco blocos de prospecção nesta bacia amazônica em 2013. A aprovação do projeto se arrastou desde a descoberta de um grande recife de corais a 28 km da área de exploração.

    A ONG Greenpeace levou a campo uma ampla campanha de defesa dos corais da Amazônia, afirmando que os riscos da extração de petróleo não compensam a possibilidade de perda de tão rica diversidade natural da região.

    A preservação da Amazônia e da biodiversidade brasileira é uma das preocupações com o início próximo do governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). De tão espinhoso, o tema é o único que não viu o seu ministério, o do Meio Ambiente, ter um ministro confirmado – as outras 21 pastas já tiveram os seus nomes oficializados.

    Mais:

    Desmatamento na Amazônia bate recorde pelas mãos de madeireiros e do agronegócio
    O Brasil tem poder de fogo para proteger a riqueza da Amazônia Azul? (FOTO, VÍDEO)
    4ª Revolução Industrial pode ser a salvação da Amazônia?
    Tags:
    exploração, extração, petróleo, natureza, biodiversidade, meio ambiente, corais, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA), Greenpeace, Petrobras, BP, Total, Jair Bolsonaro, França, Amazônia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik