13:34 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Deputado federal Onyx Lorenzoni - DEM/RS

    Só pedir desculpas não basta: PGR investigará ministro de Bolsonaro que assumiu Caixa 2

    Luis Macedo/ Câmara dos Deputados
    Brasil
    URL curta
    1253

    Já anunciado como o ministro da Casa Civil de Bolsonaro, Onyx Lorenzoni não deve se livrar tão facilmente das acusações de ter recebido caixa 2 da JBS. Uma lista com o nome dele e de outros 10 parlamentares citados nas delações de Joesley Batista foi enviada pela Procuradoria-Geral da República ao STF, que pode pedir investigações sobre a questão.

    Além das delações, Onyx é mencionado em planilhas de pagamento que registram repasses de R$100 mil em 2012 e R$200 mil em 2014.

    Em entrevista à RBS, afiliada da Rede Globo no Rio Grande do Sul, Lorenzoni confirmou ter recebido R$100 mil reais. Ele aproveitou a oportunidade para "pedir desculpas". "Cabe-me, sim, com altivez, como um homem deve fazer, que assumi meu erro e pedir desculpas ao eleitor. A verdade tem que ser o caminho para o Brasil se reencontrar com aquilo que o Brasil quer, um Brasil limpo e correto, e quero dizer que essa responsabilidade será assumida diante do Ministério Público e do Judiciário", afirmou, conforme citado pelo site da emissora.

    O dinheiro, conforme delatores e como assumiu o próprio deputado, foi entregue pelo presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), Antônio Jorge Camardelli em setembro de 2014.

    O imbróglio em torno do mea culpa de Onyx causou polêmica entre a cúpula do futuro governo Bolsonaro. Comentando o caso, o juiz Sérgio Moro — futuro ministro da Justiça — atenuou as acusações: "ele já admitiu e pediu desculpas". A frase pegou mal na imprensa, mas o juiz não se retratou desde então.

    Tags:
    Casa Civil, Procuradoria-Geral da República (PGR), JBS, Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), Sérgio Moro, Onyx Lorenzoni, Brasília, Rio Grande do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik