16:50 17 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Grupos negros homenageiam o Dia Nacional da Consciência Negra no Rio de Janeiro em frente ao monumento a Zumbi dos Palmares na região central da cidade.

    10 motivos para refletir sobre a Consciência Negra no Brasil

    Tânia Rêgo
    Brasil
    URL curta
    10152

    O 20 de novembro é a mais importante data do calendário negro brasileiro. O dia representa a data do assassinato de Zumbi dos Palmares, líder do quilombo dos Palmares, morto em 1695. Símbolo da luta contra o racismo no Brasil, a data é um momento de reflexão e luta contra as desigualdades raciais que permanecem 130 anos após o fim da escravidão.

    O Dia Nacional da Consciência Negra foi instituído através da lei 12.519, em 2011. Antes de ser instituída, a data da abolição da escravatura, 13 de maio, dia da promulgação da Lei Áurea, era considerada a data principal da luta contra o racismo no Brasil.

    No entanto, diante da manutenção da desigualdade entre negros e brancos, os movimentos negros passaram a considerar a data como insuficiente para representar uma luta que continuava. Mesmo após a abolição da escravatura no Brasil, os negros continuaram ocupando o universo do desprestígio, enquanto os brancos mantiveram privilégios.

    Com a chegada de milhões de imigrantes, principalmente europeus, ainda na primeira metade do século XX, essa desigualdade ganhou novo impulso. Aos imigrantes, foram facilitados empregos em fábricas e em lavouras, já os negros, em maioria, continuaram marginalizados. Nesse período, proliferaram as favelas e as periferias e a ascensão social se viu lenta e irregular para a camada da sociedade com pele mais escura.

    Nos anos 1950, um grupo de sociólogos, liderados por Florestan Fernandes, observou essa discriminação de forma objetiva e começou a desmontar o chamado "mito da democracia racial". Em diversos trabalhos, eles apontaram que os negros não foram incluídos na nova sociedade de classes brasileira e que sua força de trabalho foi escamoteada para empregos de baixa especialização e rendimento. 

    Com o período da Ditadura Militar, houve pouco avanço no combate a essas desigualdades devido à visão de nacionalismo dos militares. Apenas em 1995, no aniversário de 300 anos da morte de Zumbi dos Palmares, os movimentos negros conseguem reconhecimento institucional da Presidência da República, à época ocupada por Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que também fez parte do grupo de Florestan Fernandes nos estudos sobre racismo no Brasil.

    O governo de Fernando Henrique instituiu um grupo de trabalho interministerial que reconheceu o racismo no Brasil como um problema do Estado brasileiro e delineou ações para combatê-lo. Desse movimento, nasceu o compromisso do Brasil com a conferência de Durban e mais tarde a adoção de ações afirmativas nas primeiras universidades brasileiras.

    Nesse dia 20 de novembro de 2018, reunimos 10 pontos que mostram a presença da população negra no Brasil e também que, 130 anos após a abolição, ainda há diferenças sociais graves entre as populações negra e branca no país.

    1. Negros são a maioria da população brasileira, 54,6%

    A população negra brasileira é a maior parte da população nacional. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os negros, soma de pretos e pardos, são 54,6% da população brasileira. O IBGE mede a população através de autodeclaração nos censos. Apenas a partir de 2010, os negros se tornaram maioria nas estatísticas do instituto.

    2. Brasil tem a segunda maior população negra do mundo

    O Brasil é o maior país negro fora da África e o segundo país em número de habitantes negros no mundo, atrás apenas da Nigéria. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua) o Brasil tem 112,7 milhões de habitantes negros.

    3. Negros são 71,5% dos assassinados no Brasil

    Segundo dados do Atlas da Violência de 2018, a população negra foi vítima de 71,5% dos assassinatos no Brasil entre 2006 e 2016. Nesse mesmo período, o número de assassinatos de negros subiu 23,1% no Brasil, enquanto o número de assassinatos de não negros caiu 6,8%. Em 2016 foram registrados 62.517 homicídios. Entre negros a taxa de homicídios foi de 40,2 a cada 100 mil habitantes e de 16 a cada 100 mil para o resto dos brasileiros.

    4. A cada 23 minutos, um jovem negro é assassinado no Brasil

    Em 2016 uma CPI instaurada no Congresso Nacional sobre assassinatos de jovens no Brasil apontou que a cada 23 minutos um jovem negro é assassinato no Brasil. Os números da CPI mostram que 53% dos homicídios no Brasil são de jovens, e deste, 77% são negros. A CPI também aponta que há um "genocídio da população negra" no Brasil.

    5. Mulheres negras são mais mortas que mulheres brancas

    Segundo dados do Atlas da Violência de 2018, o número de homicídios entre 2006 e 2016 aumentou 15,4% entre mulheres negras e diminuiu 8% entre mulheres brancas. Em 2016, a taxa de homicídio entre mulheres negras foi de 5,3 a cada 100 mil mulheres, enquanto entre brancas a taxa foi de 3,1 a cada 100 mil. A diferença entre os dois grupos é de 71%.

    6. Negros têm salário médio mais baixo que de brancos

    Segundo dados do IBGE divulgados em 2017, os brancos brasileiros têm um salário médio de R$ 2.697,00 enquanto os negros brasileiros têm um salário médio de R$ 1.534,50. A diferença entre os dois grupos é de R$ 1.162,50, acima de um salário mínimo. Dados do Ministério do Trabalho mostram ainda que entre pessoas com ensino superior, os negros no Brasil ganham apenas 67% do que ganham os brancos.

    7. Negros são 64% dos presos no Brasil

    No Brasil, a proporção de negros presos é maior do que na população geral. Números de 2017 apontam que a população carcerária brasileira, a terceira maior do mundo, é composta por um contingente de 64% de negros. Os dados são do Sistema Integrado de Informações Penitenciárias (Infopen). Atualmente a população carcerária brasileira é de 726 mil pessoas.

    8. Mulheres negras são maioria entre as presas

    Entre os anos de 2000 e 2016, a população carcerária feminina no Brasil cresceu 455% e o número de mulheres presas chegou a 42.355. No entanto, a maioria delas é de mulheres negras, que somam 62% da população carcerária. A diferença não para por aí. A taxa de aprisionamento de mulheres negras é de 62,5 a cada 100 mil habitantes, enquanto a de mulheres brancas é de 40,1.

    9. Entre policiais, negros são os mais mortos

    Um levantamento realizado em 2016 mostra que dos 437 policiais mortos em atividade naquele ano, 56% eram negros e 43% brancos. Os dados são do Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

    10. Congresso continua mais branco

    A maioria negra na população brasileira não se reflete na composição da Câmara dos Deputados e do Senado no Brasil. As eleições de 2018 tiveram aumento de negros na Câmara, porém, apenas 24,36% dos deputados eleitos são negros e 75% são brancos. Nas eleições de 2014, os deputados negros formaram 20,06% da Câmara, enquanto os brancos eram 79,92%. Entre os senadores, foram eleitos 14 negros em 2018, quando 32 vagas foram disputadas. O Senado tem 81 cadeiras, porém não há um levantamento oficial sobre o número de senadores negros eleitos no último pleito.

    Mais:

    População branca dos EUA cai pela 1ª vez com crescimento de hispânicos, negros e asiáticos
    Novo como partido, Frente Favela Brasil luta por igualdade entre brancos e negros
    'Decisão do STF é uma reparação de danos aos negros escravizados', diz líder quilombola
    Negros e negras realizam atos para reafirmar resistência em várias cidades do Brasil
    Negros e mulatos ganham menos e estão mais desempregados do que brancos no Brasil
    Tags:
    racismo, Atlas da Violência 2018, Dia Nacional da Consciência Negra, Senado, Infopen, Câmara dos Deputados, Ministério do Trabalho, IBGE, Florestan Fernandes, Zumbi dos Palmares, Fernando Henrique Cardoso, Nigéria, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik