01:59 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    A futura ministra da Agricultura Tereza Cristina.

    Futura ministra da Agricultura recebeu doação eleitoral de réu por assassinato de indígena

    © REUTERS / Adriano Machado
    Brasil
    URL curta
    310

    A deputada federal e futura ministra da Agricultura Tereza Cristina (DEM-MS) recebeu doação eleitoral de R$ 30 mil do fazendeiro Jacintho Honório da Silva Filho - acusado de ser o mandante do assassinato da liderança indígena Marcos Veron em 2003. O crime ocorreu em Juti, no Mato Grosso do Sul, e até hoje Jacintho não foi julgado.

    As informações são da Folha de S. Paulo.

    Veron era indígena guarani-caiová e tinha 72 anos quando foi morto. Liderança no movimento de ocupação de terras, foi sequestrado e torturado com outros seis indígenas que reclamavam parte da fazenda Brasília do Sul.

    Geisebel, filha de Veron, estava grávida de 7 meses e foi sequestrada e torturada junto com o pai. 

    Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o fazendeiro que doou para a futura ministra de Jair Bolsonaro é o mandante do crime. Ele também responde por homicídio duplamente qualificado, tentativa de homicídio qualificado, tortura, sequestro, formação de quadrilha armada e dano qualificado.

    O caso foi transferido da comarca de Dourados para São Paulo após pedido do MPF por uma suposta tentativa de coação de testemunhas. Até hoje Jacintho não foi julgado.

    Em resposta à Folha de S. Paulo, Tereza Cristina afirmou: "a família de Jacintho Honório da Silva Filho é amiga de longa data" e também disse que a doação "é garantida pela legislação vigente".

    Mais:

    De capitão para capitão: Bolsonaro anuncia que Rosário permanece na CGU
    Anti-PT, novo chanceler revela no Twitter 6 pontos da política externa na era Bolsonaro
    Médicos cubanos foram comparados com açougueiros por Jair Bolsonaro em 2013 (VÍDEO)
    Bolsonaro diz que médicos cubanos são escravos da ditadura
    'Retórica de Bolsonaro pode se reverter contra o próprio povo'
    Tags:
    Jair Bolsonaro, Tereza Cristina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik