19:34 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Rio Amazonas

    'Preservar a floresta é do interesse do agronegócio'

    © AFP 2018 / CHRISTOPHE SIMON
    Brasil
    URL curta
    Thales Schmidt
    240

    Alvo da cobiça para a expansão da fronteira agrícola, a floresta Amazônica tem seu valor mesmo mantida intacta. A avaliação é do professor do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP) Wagner Ribeiro.

    Os "serviços ambientais" prestados pela floresta podem ser sentidos a milhares de quilômetros de distância, explica Ribeiro.

    "Preservar a floresta é do interesse do agronegócio. Parte da água usada pela agricultura tecnificada que se faz em São Paulo e no Paraná vem das chuvas torrenciais que têm origem na Amazônia."

    Levantamento do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe) aponta para uma alta de 36% no desmatamento na Amazônia entre junho e setembro deste ano, na comparação com o mesmo período de 2017.

    Diante do avanço da destruição ambiental, o professor da USP explica que estamos próximos de um ponto de não retorno e que atingi-lo terá graves consequências. 

    "70% das moléculas utilizadas em remédios vêm da biodiversidade. Perder a floresta significa perder um acervo que nem conhecemos."

    Terras indígenas são maneira 'inteligente' de preservar Amazônia

    Na campanha eleitoral, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) prometeu "nem um centímetro a mais para terras indígenas". 

    Já o professor da USP Wagner Ribeiro acredita que as reservas indígenas são uma ferramenta importante para a manutenção da Amazônia. 

    "As áreas mais preservadas hoje são as terras indígenas. Elas conseguem ter um nível de preservação melhor que as reservas de conservação. Por uma razão muito simples, as terras indígenas são manejadas há séculos por essas comunidades que sabem e respeitam o ritmo da floresta", diz Ribeiro. "Manter as terras indígenas, e ampliar elas, é uma maneira inteligente de manter os serviços ambientais da Amazônia."

    Levantamento do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), indica que a Amazônia legal teve 444 quilômetros quadrados de desmatamento em setembro deste ano. A maior parte (58%) do desmatamento ocorreu em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse. O restante foi registrado nos assentamentos de reforma agrária (24%), unidades de conservação (14%) e terras indígenas (4%).

    Mais:

    O Brasil tem poder de fogo para proteger a riqueza da Amazônia Azul? (FOTO, VÍDEO)
    Preservação da Amazônia: políticas ambientais de Bolsonaro geram 'imprevisibilidade'
    Calor das eleições pode ter contribuído para aumento das queimadas e tensões na Amazônia
    PGR cria força-tarefa para desmantelar crime organizado na Amazônia
    Narcosul, o cartel do PCC que cresce na Amazônia e pode ser o 1° transnacional do mundo
    Rotas do tráfico que abrangem toda a Amazônia
    'Capital dos Piratas': Coari vira base do PCC na Amazônia na luta pelas rotas do tráfico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik