18:05 17 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Candidato à presidência Jair Bolsonaro, 7 de outubro de 2018

    Bolsonaro promete asilo e diz que médicos cubanos vivem em quase escravidão

    © AP Photo / Silvia Izquierdo
    Brasil
    URL curta
    1644

    O presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, disse nesta sexta-feira que os médicos cubanos que trabalham no país por meio do Programa Mais Médicos estão sujeitos a uma situação de quase escravidão.

    "É uma situação praticamente escrava a que estão submetidos os médicos e as médicas cubanos no Brasil", afirmou Bolsonaro a repórteres no Rio de Janeiro.

    Bolsonaro reiterou que os médicos cubanos que buscam asilo político serão atendidos por seu governo, que começa em janeiro de 2019.

    O governo de Cuba anunciou na última quarta-feira que retiraria todos os médicos cubanos que participam do programa Mais Médicos, depois que Bolsonaro disse que modificaria os termos da iniciativa e imporia condições à Havana.

    Segundo dados da Confederação Nacional de Municípios (CNM), mais de 28 milhões de brasileiros serão afetados pelo fim da presença de cubanos no Mais Médicos.

    A Frente Nacional de Prefeitos (FNP) também já pediu que Bolsonaro recue, diante do impacto que a ausência de médicos cubanos causará em todo o Brasil, sobretudo em cidades do interior, mais afastadas dos grandes centros.

    Mais:

    Por 'desrespeito' de Bolsonaro, Cuba cancela participação no Mais Médicos
    TSE dá 3 dias para Bolsonaro explicar inconsistências nas contas da campanha
    Ernesto Araújo é anunciado como chanceler do governo Bolsonaro
    Tags:
    polêmica, Mais Médicos, medicina, saúde, Confederação Nacional de Municípios (CNM), Frente Nacional de Prefeitos (FNP), Jair Bolsonaro, Cuba, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik