08:24 22 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Equipe responsável pelas escavações no Egito.

    Essa é a mistura do Brasil com Egito: Pesquisadores embarcam para desvendar tumba de faraó

    © Foto: Bape
    Brasil
    URL curta
    0 90

    Pesquisadores brasileiros embarcam para uma nova expedição ao Egito para estudar os segredos da Tumba Tebana 123, na Necrópole de Luxor. O grupo, que ainda conta com estudiosos argentinos, franceses e egípcios, deve começar as escavações em janeiro do próximo ano.

    Coordenado pelo professor da Universidade Federal de Minas Gerais, José Roberto Pellini, o projeto Amenenhet vai iniciar o seu terceiro ano de trabalho em campo com o foco na escavação arqueológica.

    “Nós vamos nos concentrar na parte da escavação arqueológica. […] Essa é uma tumba inédita, que nunca foi trabalhada ou escavada. Esse ano vamos começar a escavação pelo o que chamamos de câmara anexa, que é uma sala que está anexa a uma câmara funerária, onde o morto era enterrado e, possivelmente, servia para guardar os pertences do morto. Nós já conseguimos observar duas múmias na superfície”, conta o arqueólogo do Departamento de Antropologia e Arqueologia da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (Fafich).

    Salão de festas do faraó Ramsés II descoberto no Egito
    © AP Photo / Egyptian Ministry of Antiquities
    Nos dois primeiros anos (2017 e 2018), o projeto que conta com a parceria da Universidade Nacional de Córdoba e com o Serviço de Antiguidades do governo egípcio, se dedicou ao conhecimento das tumbas e à superação de alguns problemas que dificultavam a escavação. Ainda assim, Pellini conta que o grupo já fez descobertas.

    “Já foram encontrados vários objetos de cartonagem, que são elementos que compunham a vestimenta da múmia como parte da decoração. Eram bem decorados com hieróglifos. Achamos algumas estátuas, como a do Deus Horus, por exemplo. Encontramos também um vaso canopo, que era onde ficavam os órgãos depois de retirados do corpo para transformá-lo em múmia”, explica o professor.

    Em 2019, a equipe coordenada pelo brasileiro contará com 18 profissionais de várias especialidades como geólogos, egiptólogos e antropólogos. Juntos, os pesquisadores vão tentar descobrir um pouco mais sobre a história e função do antigo proprietário da tumba, o sacerdote Amenenhet.

    “Nós podemos através da pesquisa dessa tumba, entender um pouco melhor o período do novo império no Egito Antigo. A gente consegue entender um pouco mais do papel que esse funcionário, o Amenenhet, tinha dentro do governo do faraó Tutmósis III, que era um cargo muito importante”, explica o professor.

    Cartucho real com o nome do Faraó Tutmosis III.
    © Foto : Bape
    Cartucho real com o nome do Faraó Tutmosis III.

    Amenenhet era sacerdote que ocupava diversos cargos, como o de contador de pães, que eram distribuídos como parte dos salários no Egito Antigo. O dono da Tumba Tebana 123 serviu ao faraó Thutmosis III, da 18ª Dinastia, por volta de 1800 antes de Cristo. A construção que está sendo analisada pelo grupo de pesquisadores tem formato de T, possui 25 x 3 metros de frente e um corredor principal de 50 x 3 metros.

    No próximo ano, além da história do nobre Amenenhet, os pesquisadores também estudarão o presente. Segundo o professor José Roberto Pellini, a intenção é investigar a relação entre a população atual e o monumento.

    “Ao mesmo tempo a gente tem focado muito na relação da comunidade atual com esse monumento, para entender como a população resignifica e utiliza as tumbas do Egito antigo dentro das práticas cotidianas”, conta o arqueólogo.

    O projeto coordenado pelo brasileiro integra o Programa Arqueológico Brasileiro no Egito (Bape, na sigla em inglês), criado em 2015 na Universidade Federal de Sergipe.

    Tags:
    Hórus, Programa Arqueológico Brasileiro no Egito, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (Fafich), Universidade Nacional de Córdoba, Universidade Federal de Minas Gerais, Universidade Federal de Sergipe, Tutmósis III, Amenenhet, José Roberto Pellini, Egito
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik