09:29 22 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Marielle Franco, vereadora pelo PSOL, assassinada na noite do dia 14 de março

    Caso Marielle terá 'investigação da investigação'

    © Foto : Dayane Pires/CMRJ
    Brasil
    URL curta
    301

    O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou nesta quinta-feira (1) que a Polícia Federal (PF) trabalha na investigação de uma suposta tentativa de acobertar o assassinato da vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes.

    "Vão ter duas investigações em paralelo, a da morte de Marielle continua. Mas vai ter outro eixo, que vai investigar, seja quem está dentro do poder público, ou quem está fora. É uma investigação da investigação, vamos assim dizer", disse em coletiva de imprensa.

    A investigação responde a um pedido da Procuradoria-Geral da República. Segundo o ministro, duas testemunhas apontaram pessoas envolvidas no crime que estão dentro do poder público para barrar a investigação.

    O assassinato da vereadora do Psol ocorreu em 14 de março e, no mês de agosto, Jungmann ofereceu o auxílio da Polícia Federal para apurar o episódio. A oferta, contudo, foi recusada pela Polícia Civil carioca — que cuida da elucidação do crime.

    A afirmação de Jungmann ocorre após o miliciano Orlando de Oliveira Araújo, o Orlando da Curicica, afirmar em entrevista ao jornal O Globo que existe uma tentativa de barrar a investigação do duplo homicídio.

    "O que tenho a dizer, ninguém gostaria de ouvir: existe no Rio hoje um batalhão de assassinos agindo por dinheiro, a maioria oriunda da contravenção. A Divisão de Homicídios e o chefe de Polícia Civil, Rivaldo Barbosa, sabem quem são, mas recebem dinheiro de contraventores para não tocar ou direcionar as investigações, criando assim uma rede de proteção para que a contravenção mate quem quiser. Diga, nos últimos anos, qual caso de homicídio teve como alvo de investigação algum contraventor?"

    Ainda de acordo com Curicica, o crime seria uma maneira de atingir o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL).

    Mais:

    Samba enredo da Mangueira para 2019 homenageia Marielle
    Anistia Internacional circula pelo Rio com LED gigante e insiste: 'Quem matou Marielle?'
    Governo federal oferece proteção à viúva de Marielle Franco
    Equipe que investiga caso de Marielle é trocada pelo procurador-geral
    Tags:
    Marcelo Freixo, Raul Jungmann, Marielle Franco
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik