10:00 14 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Jair Bolsonaro coloca seu voto no segundo turno das presidenciais no Brasil, em 28 de outubro de 2018

    O que esperar de Bolsonaro em relação à ONU?

    © REUTERS / Ricardo Moraes/Pool
    Brasil
    URL curta
    473

    A política de externa de Jair Bolsonaro está em aberto e não se sabe como ele trabalhará internacionalmente. Durante a campanha, ele falou em banir o "viés ideológico" na diplomacia e até em sair da ONU. Para entender melhor as possibilidades, a Sputnik Brasil conversou com Antônio Celso Alves Pereira, professor de direito internacional da UFRJ.

    Desde a fundação da ONU o Brasil aspira obter uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU. Essa aspiração foi muito apontada durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva, perdendo força nos mandatos de Dilma Rousseff e ainda mais na crise prolongada ao governo de Michel Temer.

    Já agora, com o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), especula-se sobre qual será a postura do próximo governo do Brasil em relação à ONU, sendo que o próprio Bolsonaro já deu declarações desqualificando a importância do órgão multilateral mais importante do mundo.

    Para o especialista em direito internacional, Antônio Celso Alves Pereira, ouvido pela Sputnik Brasil, a real posição de Bolsonaro em relação à ONU segue sendo uma incógnita, assim como a política externa de seu governo. Para o professor, o que se sabe nesse aspecto é que Bolsonaro é uma figura "controvertida", "de direita" e que nutre admiração por Donald Trump, presidente dos EUA. Porém, a falta de propostas sobre política externa durante a campanha deixou espaço para dúvidas.

    "A política externa não frequentou, lamentavelmente, nessa campanha, os debates. Nenhum candidato entrou exatamente em detalhes de qual seria a política, qual seria a orientação, qual seria o viés com que trabalhariam essa coisa tão importante que são as relações externas de um país", afirma.

    O professor ainda acrescenta que ainda permanece um clima de incerteza sobre as posições do presidente eleito.

    "No governo Bolsonaro nós vamos ter isso, ou seja, uma política externa que não está ainda clara, que não está definida, ninguém sabe o que vai ser porque não se tem ideia de quem será o ministro", enfatiza.

    Bolsonaro pretende mesmo sair da ONU?

    Um dos momentos mais controversos da campanha do presidente eleito Jair Bolsonaro aconteceu em agosto quando ele afirmou a repórteres que deixaria a Organização das Nações Unidas (ONU).

    "Durante a campanha Bolsonaro falou […] que sairia da ONU, porque a ONU perdeu legitimidade e que perdeu sua importância, essas coisas que os inimigos da ONU sempre falam ignorando o grande papel que a ONU tem do lado da assistência que faz no mundo, inclusive, com as populações menos favorecidas […]", ressaltou Pereira.

    Para ele, a postura exacerbada fez parte da campanha, mas não acredita que será executada durante o governo. O professor aponta que a relevância internacional do Brasil não pode ser ignorada pelo próximo presidente e que o país, por consequência, não deve abrir mão de espaços em órgãos multilaterais, que são arenas da política internacional.

    "É um país muito importante hoje e que realmente não pode abdicar desse papel internacional e precisa, exatamente, agir com maturidade, com realismo", aponta Antônio Celso Alves Pereira, reiterando que não vê espaço para uma saída da ONU.

    "Se o Brasil quer ter realmente um papel preponderante na vida internacional ele vai ter que fazer uma inserção cada vez maior ao lado das nações que têm responsabilidade de resolver os problemas do mundo, equilibrar o sistema internacional", afirmou o professor.

    América Latina e "viés ideológico"

    O especialista acredita ainda que há sinais emitidos, durante os dias após a eleição, do que pretende Bolsonaro em relação aos países vizinhos e que há, inclusive, um potencial parceiro estratégico na mira de Bolsonaro.

    "O que ele afirma muito bem e que já mostrou, pelo menos de anteontem para cá é que ele está direcionando, inclusive, as suas prioridades em relação à América Latina mais na direção de uma aproximação maior e mais estreita, cada vez mais estreita com o Chile", afirmou o professor da UERJ e da UFRJ nesta quarta-feira (31).

    A possibilidade de estreitamento das relações externas com o governo chileno de Sebastián Piñera, afirma o professor, seria também uma contradição do discurso do presidente eleito.

    "Inclusive é uma coisa interessante, que ele diz que não vai fazer política externa com ideologia e essa aproximação com o Chile é uma aproximação também que tem um viés ideológico. O governo do Chile é um governo de direita. Então ele estaria direcionando a política externa com um viés ideológico, coisa que ele disse que não ia fazer", ressalta Antônio Celso.

    Segundo o pesquisador, no entanto, esse movimento é esperado e não passa de uma resposta ao alinhamento com os governos de esquerda durante as gestões do PT, alvos de críticas promovidas por Bolsonaro em relação aos governos de Lula e Dilma.

    Mais:

    Moro diz que convite de Bolsonaro será objeto de 'discussão e reflexão'
    Bolsonaro vai dar prioridade à China ao invés de BRICS, diz especialista
    Bolsonaro reduzirá pastas e criará superministério da Economia
    Sérgio Moro se encontrará com Bolsonaro para discutir convite para Ministério da Justiça
    Tags:
    relações exteriores, relações internacionais, ONU, UERJ, UFRJ, Antônio Celso Alves Pereira, Jair Bolsonaro, Donald Trump, Sebastián Piñera, Estados Unidos, Chile, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik