08:59 14 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    O nordestino Crenilton Santos Ferreira com camisa do presidenciável Jair Bolsonaro.

    Antigo bastião petista, Nordeste vem mostrando apoio a Bolsonaro

    © REUTERS / Nacho Doce
    Brasil
    URL curta
    11126

    A casa de Crenilton Santos Ferreira e de sua esposa, Claudia, fica no fim de uma estrada de terra no estado do Maranhão, no nordeste do Brasil, o mais pobre do país.

    Quase 80% dos maranhenses escolheram o PT nas eleições presidenciais de 2014. Mas, nas eleições deste ano, Ferreira vai votar em Jair Bolsonaro (PSL).

    "O meu voto é em Bolsonaro porque ele defende o valor da família, os valores cristãos", disse à Reuters este pastor da cidade de Barreirinhas. "Ele não defende um partido, ele defende uma nação: o Brasil".

    Apesar de anos de comentários ofensivos sobre mulheres e negros, o ex-capitão do exército está prestes a ganhar a presidência com sua retórica de lei e ordem, pontos de vista sociais conservadores e promessas de combater a corrupção política.

    O entusiasmo de Crenilton Ferreira com Bolsonaro, neste canto do Brasil onde escasseiam as televisões e os celulares, é uma prova do apelo do presidenciável do PSL em locais onde até aqui os candidatos conservadores têm sido fracos ou inexistentes. E o apoio de Crenilton Ferreira a Bolsonaro nestas eleições presidenciais — na sua paróquia e na sua cidade — revelou uma das forças ocultas da campanha do candidato: o establishment evangélico deu um exército popular de voluntários a Bolsonaro.

    No Maranhão, os pastores evangélicos abriram uma porta que parecia fechada para o ex-capitão.

    Contudo, ainda é possível encontrar eleitores petistas gratos pelos programas de distribuição de renda do ex-presidente Lula.

    "Provavelmente vou votar no papai Lula, através do seu candidato[Haddad]. O chefe sempre nos ajudou", disse à Reuters Maria da Luz, 54 anos e mãe de dez filhos.

    Em sua casa, Maria da Luz tem uma foto de Lula pendurada na parede. Ela e seu marido, Raimundo Domingo Ferreira Pires, de 74 anos, moram em Belagua, e são, como muitas outras famílias, beneficiários do programa Bolsa Família.

    Maria da Luz recebe cerca de R$ 500 reais por mês através do programa, enquanto Raimundo Pires recebe outros R$ 650 reais de pensão. O dinheiro, explicaram à Reuters, ajudou a família a comprar roupas, lápis e cadernos para que os filhos pudessem ir à escola. Em campanha no Nordeste na última semana antes das eleições, Fernando Haddad prometeu aumentar os valores do Bolsa Família em 20%.

    Até mesmo Crenilton Ferreira, o pastor que faz campanha por Bolsonaro, depende do programa Bolsa Família para sobreviver: ele recebe R$ 163 por mês para sustentar os dois filhos, um complemento ao seu salário de R$ 800 reais. À Reuters, explicou que foram as conversas com outros membros da igreja que o afastaram do PT.

    Temas como o apoio aos direitos dos homossexuais ou a educação sexual na escola mobilizaram os evangélicos contra o partido de Lula.

    Muitas das diretivas contra Haddad também partem das conversas com Pedro Aldi Damasceno, pastor titular da capital do estado, em São Luís, que faz campanha por Bolsonaro.

    "Somos cristãos, defendemos o verdadeiro cristianismo com ardor e zelo", disse Damasceno à Reuters. "Não há paz entre nós e Haddad. Ele é o inimigo, o inimigo dos crentes."

    Mais:

    Liberação de armas pode ser aprovada na Câmara antes mesmo de Bolsonaro ser eleito
    Bolsonaro diz que política de combate ao preconceito é 'coitadismo'
    Bolsonaro defende privatizações e fala em fim de reeleição
    Ibope: Haddad diminui distância de Bolsonaro
    Educação e saúde: especialistas comparam planos de Bolsonaro e Haddad
    Tags:
    Jair Bolsonaro, Fernando Haddad
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik